Daqui a duas semanas…

          Daqui a duas semanas estreia nos cinemas brasileiros o longa Watchmen, filme inspirado e adaptado dos quadrinhos da DC Comics. O filme, recheado de ação e efeitos especiais, é dirigido pelo ótimo Zack Snyder (300) que já mostrou sua veia "HQ" e pode ser considerado pelos fãs o homem ideal para fazer um filme tão esperado por se tratar de um clássico dos mestres Alan Moore a Dave Gibbons.

          A história é a seguinte: Numa América fictícia dos anos 80, um grupo de super-heróis aposentados começa a ter sua vida ameaçada. Dois de seus membros, Rorschach (Jackie Earle Haley), detetive que usa uma máscara desfigurada, e o Coruja (Patrick Wilson), passam a investigar a identidade do vilão que promove esse medo antes que suas próprias vidas corram perigo. Parece algo muito superficial e o normal das HQ’s, porém vale conferir, pelo simples fato de provocar um raciocínio de uma realidade diferente da que temos por conta de diferenças no passado recente. Tomara que Snyder tenha conseguido transpor para a tela tudo aquilo que foi possibilitado por Moore e Gibbons na revista, assim como o foi com 300.

 

Abaixo trailer do filme:

 

 
Dhiancarlo Miranda

 

Honda: novo dono ou fechamento?

 
Faz um mês, aproximadamente, que eu divulguei aqui o interesse do dono da Claro pela escuderia Honda de Fórmula 1, algo não comprovado e não confirmado até hoje. Após essa notícia pipocaram outras propostas (ou apenas especulações) sobre a eventual venda da equipe e salvação de pilotos e funcionários da Honda. Agora aparece outro magnata como possível comprador: seria o dono da Virgin Corporation, Richard Branson, que entre outras coisas, possui gravadora e companhia de aviões comerciais e faria da escuderia uma republiqueta dos EUA, além de dar guarida à piloto Danica Patrick. Qual é a medida da verdade descobriremos logo, já que a temporada está para começar e isso deve ser definido com uma certa antecedência.
 
Dhiancarlo Miranda

Caso Paula Oliveira

 
 
Finalmente, definido o caso envolvendo a brasileira Paula Oliveira, que havia proporcionado um mal-estar entre Brasil e Suíça. O fato de ser confirmada a invenção da história não confirma, porém, uma outra questão: seria ela acometida por alucionações e outros sintomas, advindos do fato de ela possuir uma doença chamada Lúpus ou o caso é de chamamento de atenção e cabe mesmo um processo contra ela por induzir a polícia ao erro?
Caso para o dr House ou para o pessoal do Law and Order?
 
Dhiancarlo Miranda

Constatação da volta às aulas

 
Estou terminando a primeira semana de aulas e como já vinha me preparando durante as férias promovi uma discussão sobre o acordo da nova ortografia da língua portuguesa, além de proporcionar uma pequena cartilha com as mudanças realizadas. O curioso é que, assim como já havia percebido conversando com pessoas leigas no assunto, uma grande maioria das pessoas acha que não se usa mais acento. Oras, ou não foi divulgado o processo corretamente pelas autoridades da educação ou as pessoas são preguiçosas mesmo e querem usar o tal acordo como desculpa para não usar os acentos. Fico com a segunda hipótese.
 
Dhiancarlo Miranda

Caso Paula Oliveira

"Brasileira não estava grávida e pode ter feito cortes em si mesma", diz perito suíço

Marcio Damasceno
De Berlim para a BBC Brasil

Foto da região onde foi escrita a sigla do partido de extrema direita

 
O diretor do Instituto de Medicina Forense da Universidade de Zurique, Walter Bär, afirmou nesta sexta-feira que, a partir de exames de legistas e ginecologistas, sua conclusão é de que a brasileira Paula Oliveira não estava grávida e teria ela mesma feito os ferimentos em seu corpo.

Em entrevista coletiva na sede da polícia de Zurique, Bär afirmou que resultados laboratoriais de exames realizados na brasileira pelos ginecologistas do Hospital da Universidade de Zurique apontaram que Paula Oliveira não apresentava gravidez no momento do suposto ataque.

"Constatamos que os corte encontrados no corpo dela foram realizados em locais que podem ser alcançados por ela mesma", afirmou Bär.

"Além disso, as partes mais sensíveis do corpo feminino, como genitais e seios, não foram atingidos pelos ferimentos", acrescentou. "Minha conclusão é que ela mesma fez os ferimentos."

"Quero ressaltar que o Instituto de Medicina Forente da Universidade de Zurique é uma entidade independente, sem ligação com a polícia nem com as autoridades de Justiça", observou Bär.

De acordo com a polícia suíça, as investigações sobre o caso ainda não foram concluídas e seguem em andamento em todas as direções.

 
NOTA DO BLOG – Não sou perito, não sou médico, tampouco membro da polícia, seja esta do Brasil ou da Suíça, porém não deixa de ser curioso (para não dizer esquisito) o fato de um profissional da área insinuar, pelo simples fato de ferimentos terem sido feitos em locais do corpo próximos do raio de ação da vítima, que esta seria a própria executora do ato. Além disso, dizer que genitais e seios não foram atingidos por nenhum ferimento ser relacionado diretamente ao não acontecimento de uma agressão é mais estranho ainda. Normalmente, seja em qualquer país do mundo a investigação segue até haver certeza das hispóteses levantadas, mas o fato de ter entrado nessa discussão uma questão de xenofobia parece ter inclinado o processo investigatório para uma outra nuance. Talvez a confirmação de que a garota brasileira não estivesse realmente grávida promove uma maior facilidade em questionar a eventual agressão, mas afirmar isso categoricamente é, no mínimo, equívoco. Olho neles lá, Itamaraty.
 
Dhiancarlo Miranda

Duzentos anos de Charles Darwin

   
 
Hoje faz duzentos anos que nasceu o homem que chacoalhou a igreja católica com suas idéias evolucionistas e conseguiu formular uma enorme gama de informações com sua "A origem das espécies". A polêmica que gerou esse seu compêndio a respeito da origem e da evolução de inúmeros animais, inclusive o ser humano, fez com que outras pesquisas fossem realizadas e mexeu com a comunidade científica. Até hoje gera debate o fato de Darwin relacionar as ações de acordo com sua naturalidade, daí o nome de naturalismo para uma tendência científica que influenciou até mesmo a literatura.
 
Dhiancarlo Miranda