O Massacre de Jack Temmor

Numa noite de lua cheia, na cidade Dustral Dux, um casal chamado Jhones e Annita passavam em frente da floresta Devil’s Tramping Ground.

Os dois estavam conversando. Jhones contava a lenda de um garoto que brincava nessa floresta:

Jhones: – O nome desse garoto era Jack Temmor. Muitos alegam que ele corria de algo que não poderia ser visto, mas ouviam-se os passos. Muitos dizem que quando a criatura chegava perto era possível sentir a proximidade da morte.

Annita: – Jhones, isso é real?

Jhones: – Não, meu amor, isso é apenas uma lenda. Vamos entrar na floresta? Eu conheço uma trilha que leva até o lago! Não precisa ficar com medo.

Annita: – Não estou com medo!

De repente, Jhones sai correndo pra dentro da floresta em direção ao lago.  Annita não escuta mais a voz de Jhones e decide entrar na floresta para procurá-lo. Quando ela se aproxima de uma árvore encontra uma trilha de sangue e começa a segui-la. No final desta trilha ela encontra o corpo de seu namorado caído, com um machado em sua nuca.

Ela olha para frente e começa a ouvir passos e uma respiração ofegante. Olha pra todos os lados, mas não vê ninguém por perto. De repente, ela escuta mais uma vez a respiração ofegante e olha para frente e dá de cara com um homem mascarado e com uma foice em uma de suas mãos.

Annita, mesmo assustada, decidiu fazer uma pergunta ao homem parado em sua frente.

Annita: – Quem é você?

Um silêncio veio à tona, o homem não disse nada, só olhava fixamente em seus olhos. Annita lhe pergunta mais uma vez:

– Quem é você? E o que aconteceu com meu namorado?

De repente, o homem decide falar:

– Meu nome é Jack Temmor!

Annita se lembra da lenda que seu namorado tinha lhe contado, ela não disse nada, apenas começou a correr. Annita corria desesperadamente, olhava pra trás a todo o momento para ver se ele estava chegando perto. Ela podia ouvir o barulho de passos rápidos atrás dela, mas na verdade era o som da batida de seu coração disparado. Disparado pelo esforço da corrida, pelo medo e pelo receio de ser pega.

Quando ela consegue ver o final da floresta Jack se teletransporta à frente da garota.

Annita, apavorada, começa a chorar e a pedir clemência a Jack. De repente, ela escuta um som, parecia ser um assobio, que estava vindo da rua. Annita não pensa duas vezes e começa a gritar por socorro.

Jack a agarra e tampa a boca da garota que, mesmo estando com muito medo de ser morta, continua a gritar desesperadamente por socorro.

Quando, do nada, surge um homem de aproximadamente uns 37 anos, com roupas escuras, aparentando ser um mendigo. Ele entra na floresta e tenta ajudar a garota que nem por um instante parou de gritar.

Quando o homem começou a correr em direção a eles Jack estala os dedos e some com a garota, que deixa pra trás uma gargantilha em forma de coração.

O homem, confuso e, ao mesmo tempo, apavorado pega a gargantilha e começa a correr em direção a um bar próximo dali.

Ao chegar ao bar o homem começou a gritar o que tinha presenciado, mas muitos debocharam e o chamaram de louco. O dono do bar, vendo o que estava acontecendo, decidiu dar atenção ao homem e lhe pergunta:

– O que foi?

Ele… ele a pegou!

– Ela quem? Venha comigo, beba um copo de água e se acalme, depois me conte o que aconteceu, ok?

– Ok!

Então os dois se sentaram, o homem se acalmou, eles começaram a conversar.

Dono do bar: – Qual seu nome, meu rapaz?

Homem: – Meu nome e John. A gente não tem muito tempo, ele vai mata-la!

– Acalme-se! Quem irá matar quem?

John começou a explicar o que ele havia presenciado e logo depois mostrou a gargantilha ao dono do bar. Ele conhecia a dona da gargantilha, era sua sobrinha que tinha saído com seu namorado horas antes.

O dono do bar ficou preocupado e liga para o celular da garota várias vezes, mas só cai na caixa postal.

Vendo o que estava acontecendo John fala para o dono do bar:

– Meu senhor, não vai adiantar nada ficar aqui de braços cruzados, se demorarmos é provável que sua sobrinha morra.

– Você quer que eu faça o quê?

– Vamos juntar um grupo de homens para ir à busca da sua sobrinha.

– Está bem, vamos lá!

Eles conseguem juntar mais outros homens, John conta o que tinha acontecido, o grupo de homens combina de salvar a garota, mas antes eles vão chamar um rapaz lutador de Muay-Thay chamado JOÃO CABRAL.

João aceita ajudar. Quando eles estavam saindo do bar surge uma voz misteriosa que fala:

– Tolos, não vai adiantar nada vocês irem atrás dela. É isso o que ele quer! Vocês irão se arrepender!

Eles olham para trás e dão de cara com uma velha sentada na última mesa do bar.

– Arrepender-se de que, sua velha louca! Ele é mais um desses maníacos safados que pensa que ninguém vai fazer nada, mas é ele quem vai se arrepender se acontecer alguma coisa com essa garota: disse João.

– Você pensa que ele é um maníaco… Jack não é um maníaco, ele é um demônio com sede de sangue.

– Você é louca, isso é apenas uma lenda. Jack não existe!

E a velha diz: – Jack era um menino que foi amaldiçoado e agora vive nessa floresta.

John retruca: – não dê atenção a essa velha Isso é apenas uma lenda. Vamos antes que anoiteça.

Eles deixaram a velha pra trás e foram em direção à floresta. Chegando lá, eles escutam o grito de socorro da garota.

Enquanto corria ele tropeça no cadáver de um garoto e cai em cima dele. O dono do bar reconhece o garoto. Era o namorado de sua sobrinha, o Jhones!

O dono do bar corre para dentro da floresta e deixa todos para trás. Enquanto observava o corpo, ele percebe que está sendo vigiado e começa a gritar: – Quem está aí?

Ele olha para todos os lados e dá alguns passos para trás. Não vê ninguém, cai uma gota vermelha em seu nariz, era sangue. Após olhar para cima, ele depara-se com a cabeça de um urso. Muito apavorado começa a correr, mas já era tarde. Enquanto corria surge uma foice que pega em cheio em seu pescoço e corta sua cabeça que sai rolando até o pé de Jack Temmor!

Jack pega a cabeça e a pendura em uma árvore perto da entrada da floresta. Sobre o corpo, Jack começou a mutilar e espalhou os pedaços pela floresta.

Do lado de fora, João, John e os outros homens começaram a se preocupar. E decidem se dividir para entrar na floresta. João quer entrar sozinho e diz que não tem medo. Ele entra e some em meio as árvores.

John e os outros três homens entram em seguida, eles estavam com medo, mas seguiram assim mesmo.

John e Frank ficaram apavorados, eles não sabiam o que fazer. John sente uma mão em seu ombro, ele fica com medo e começa a suar frio. Seu coração estava quase saindo pela boca quando ele olhou pra trás. Era João que estava atrás dele. John suspirou aliviado.

Enquanto eles andavam, Frank se deparou com a cabeça do dono do bar e caiu para trás. Muito assustados, Max e Yuri saíram correndo para fora da floresta, mas enquanto eles corriam um deles acionou uma armadilha. De repente, surgem duas pedras enormes que caíram em cima dos homens que morreram esmagados.

John então diz e João: – o que você tá fazendo aqui, a gente não ia se separar?

– Eu estava andando pela floresta quando eu ouvi uns estrondos e vim correndo pra cá. O que aconteceu?

Frank surge e dispara: – Max e Yuri ficaram com medo e saíram correndo. Nesse alvoroço vieram duas pedras que os esmagaram!

Do nada sobe uma neblina que vai cobrindo tudo. Eles não conseguem enxergar mais nada. Frank começou a se desesperar e a gritar de medo.

John: – Acalme-se, Frank, tudo vai acabar bem!

Frank: – Ele vai nos matar, ele vai nos matar!

João: – Pare com isso, vire homem!

John: – Pare de gritar com ele, você não vê que ele está em pânico?

De repente, eles não escutam mais a voz de Frank e a neblina começa a passar. Quando eles se viram se deparam com Frank caído no chão com um buraco em seu peito. Atrás de Frank, Jack Temmor está segurando em uma das mãos o coração.

O medo estava no ar, eles não sabiam o que fazer. John até pensou em correr, mas ele sabia que não iria adiantar em nada. Mesmo estando com medo, John decide falar:

Por que você está fazendo isso?

Jack não falou nada, apenas continuou os encarando.

João insistiu: – Seu covarde, você pensa que é quem pra fazer isso com meus amigos? Se você fosse homem mesmo viria lutar mano a mano comigo. Covarde!

Surge no rosto de Jack um sorriso irônico. Vendo isso João fica com mais raiva e começa a gritar:

– Você pensa que eu estou brincando, seu idiota? Vem, pra você ver o que é bom.

John aterrorizado diz a João: – Pare com isso, não é hora pra dar uma de valente.

– Cale a sua boca, pelo menos eu vou fazer alguma coisa. E você que não presta pra nada? Você só se preocupa com aquela garota que você nem conhece. Quer ajudar? Então vai, sai daqui e procure a menina.

John abaixou a cabeça e saiu andando pela floresta adentro.

João se vira e vê Jack jogando suas armas no chão, logo após Jack começa ir em direção a João. Quando ele chega bem perto, João começa uma sucessão de murros. Quando se cansa João percebe que nem arranhou Jack. Ele começa a ficar com medo, sua valentia nem tinha ajudado em nada.

João começa a andar para trás, mas quando olha para frente é surpreendido por Jack com um golpe em seu pescoço, João cai pra trás e começa a ficar sem ar, seus olhos começaram a virar e logo João está agonizando, mas Jack quer vê-lo sofrer, então ele pega uma pedra bem pontuda e arranca um dos olhos de João que ainda está vivo.

Jack, não satisfeito, pega uma corda e a entrelaça no pescoço de João e o pendura em uma árvore até sua morte.

Enquanto isso, no coração da floresta, John encontra uma cabana. De lá, vinham muitos gritos, pareciam até ser de uma garota. Ele vai até lá, mas a porta está trancada. Ele pega um pedaço de pau e começa a forçar a tranca que acaba arrebentando.

Quando John entra na cabana se depara com a garota jogada no chão e amarrada em uma barra de ferro. Ela estava machucada e fraca. John se aproxima da bela garota.

Mas ela começa a gritar com a aproximação dele. John pede pra ela se acalmar e lhe fala:

– Eu estou aqui para te ajudar. Por favor, pare de gritar, ele pode ouvir e vir aqui. Qual é seu nome?

– Meu nome é Annita. Você é aquele homem que estava na floresta e tentou me ajudar, né?

– Sim, a gente não tem muito tempo, vou te tirar daí para irmos embora!

John tem dificuldade para desamarrar Annita, mas depois de muito esforço ele consegue solta-la.

John estava preocupado, porque Jack podia chegar a qualquer momento. Eles tinham que ser rápidos. Quando eles estavam saindo Annita se lembra de uma metralhadora que Jack guardava em cima do criado-mudo. Ela dá meia volta e pega a arma que poderia ser útil.

Quando eles colocam os pés fora da cabana se deparam com Jack Temmor sentado em um tronco de árvore afiando sua faca.

O clima está tenso, o medo estava no ar. Jack se levanta e vai em direção a eles. Anitta não pensa duas vezes e começa a encher Jack de bala.

Com o impacto dos tiros Jack vai sendo empurrado para trás. John percebe que não está adiantando em nada, então pega a metralhadora de Annita e manda-a sair correndo o mais rápido possível e não olhar pra trás enquanto ele distraía Jack.

Annita se recusa a ir e fala para John:

– Eu não vou a lugar nenhum, sou a causa de tudo isso.

E John lhe diz: – Por favor, saía daqui enquanto há tempo, as balas já vão acabar.

– Não vou a lugar nenhum sem você!

As balas acabam e Jack estava fraco. John larga a arma e pega na mão de Annita e começam a correr.

Jack fica para trás, mas eles sabem que quando ele se recuperar vai pega-los, então correm o máximo possível. Jack surge com uma lança em uma das mãos e na outra a cabeça de João Cabral. Anitta, mesmo com medo, decidiu perguntar:

– Por que você está atrás de mim?

Jack começa a rir e dá alguns passos em direção a eles. E lhe responde:

– Eu sou um demônio que ronda esta floresta. Todos que entrarem aqui morrem.

Annita- E por que você não me matou?

– Por que eu sabia que iam vir aqui atrás de você e ela está aqui. Eu posso sentir.

Annita- do que você está falando? Ela quem?

E Jack insiste: – Ela está próxima!

– Ela quem?

E Jack encerra: – Minha irmã!

De repente, surge um som de estalo, Jack cai pra trás. Surge através de uma árvore uma velha que diz: – Venham comigo rápido, isso só vai mantê-lo desacordado por algum tempo!

Annita e John vão atrás da velha que os leva para fora da floresta e vão até uma casa cinza do lado de uma livraria. Eles entram na casa, a velha tranca tudo e depois se senta em uma cadeira de balanço. Annita lhe pergunta: – Quem é a Senhora?

– Meu nome é Elisabeth, eu avisei vocês para não entrarem nessa floresta. Eu avisei!

John diz: – Desculpe-me, eu pensei que era uma lenda, eu não sabia que ele existia.

E Annita confusa: – Do que vocês estão falando?

John explica: – Quando a gente ainda estava no bar do seu tio essa senhora avisou sobre o Jack, mas nós não acreditamos nela!

– A senhora conhece o Jack Temmor?

– Infelizmente, sim. Jack é meu irmão.

– Mas o que aconteceu pra ele se tornar isso?

– Numa tarde de domingo, eu e o Jack brincávamos nessa floresta até que quando chegamos a uma parte afastada nós encontramos um túmulo. Eu o avisei para não brincar naquilo, mas não ele não me escutou!

Elisabeth começou a chorar, mas ela enxugou as lágrimas, e continuou a contar a história:

– Quando ele subiu no túmulo caiu alguma coisa que até hoje eu não sei o que era. De repente, o céu escureceu, eu gritei para ele sair dali. A gente começou a correr, mas Jack tropeçou em alguma coisa que começou a puxar o pé dele, eu tentei ajudar, mas não consegui.

Ela prosseguia com sua história: – Jack foi levado até o túmulo. Começaram a sair luzes do túmulo, surge do nada Jack flutuando em minha direção e os seus olhos estão diferentes. Eu não sabia o que tinha acontecido. E chamei por ele, mas Jack começou a me atacar e daí eu sai correndo. Eu consegui sair da floresta, mas Jack veio atrás de mim.

Elisabeth estava muito triste, mas continuou o relato: – Quando estava correndo pela rua encontrei nossos pais, tentei avisar a eles, mas eles não acreditaram em mim. Quando meus pais aproximaram-se da floresta, ele matou nossos pais. Enquanto ele os matava, eu saí correndo.  Encontrei uma senhora que todos diziam que era louca. Ela me levou até a casa dela. Eu contei o que aconteceu.  Ela tinha pegado um livro e um pó branco e me mandou não sair dali por nada. Quando ela saiu, eu corri até a janela e vi que ela estava lendo alguma coisa do livro. Depois que leu ela jogou o pó branco e ele desapareceu. Mas todo dia 28 de setembro ele volta e tenta me matar!

Annita ficou mais confusa: – Mas por que ele me sequestrou?

– Por que ele sabia que eu ia atrás de vocês!

John então percebe: – Que dia é hoje?

Elisabeth então finaliza: – Dia 28 de setembro!

– Então quer dizer que ele vai sair da floresta pra vir atrás de nós?

– Sim!

– Mas o que nós vamos fazer para acabar de uma vez por todas com o Jack? – Esta era Annita.

Então Elisabeth diz: – Precisamos achar o túmulo, depois eu vou fazer um ritual para prender Jack, mas não sei se irá dar certo!

– Não custa tentar.

Elisabeth tinha um armário cheio de armas. John pegou uma bazuca, uma faca que colocou no sapato e uma automática que pendurou na cintura.

Annita pegou uma metralhadora, uma pistola e uma bolsa cheia de munições. Elisabeth pegou uma adaga e um livro.

Eles estavam preparados, saíram da casa e quando estavam próximos à floresta encontram Jack encostado em uma parede segurando uma faca.

John deu um tiro de bazuca e Jack voou pra longe. Annita e Elisabeth conseguiram entrar na floresta e logo depois John foi atrás.

Elisabeth cochichou: – John, dê cobertura pra mim e para Annita e, depois que a gente entrar na floresta, você vem atrás de nós. Depois, você e a Annita distraem o Jack que eu vou atrás do túmulo fazer o ritual, ok?

Ambos disseram “Ok!”

Jack estava caído, mas logo levantou. Ele estava com ódio e saiu correndo para dentro da floresta, mas quando colocou os pés dentro da floresta, foi surpreendido com uma chuva de tiros em sua direção.

Enquanto isso, numa parte afastada da floresta, Elisabeth estava andando em direção ao túmulo. Quando ela o encontra, faz um círculo em volta do túmulo e começa a ler o livro e diz as seguintes palavras:

‘‘Surgiu das trevas, volte para as trevas; Você não pertence a este mundo,  volte de onde você veio. Surgiu das trevas volte para elas’’

Jack fica furioso. Ele se teletransporta para frente de John e dá um soco em seu estômago e em seu rosto e John cai.

Depois Jack vai em direção a Annita e lhe dá uma voadora que a faz voar longe. Jack está fraco, mas ele consegue se teletransportar para perto de onde está Elisabeth.

Jack começa a conversa com Elisabeth:

– Você se lembra de mim, minha irmã?

Elisabeth não dá atenção e continua com o ritual. Mas Jack não desiste e insiste:

– Você vai me matar mesmo? Eu sou a única família que você tem!

Elisabeth não resistiu e decide falar:

– Você acabou com a minha vida, você matou a mamãe e o papai. Você destruiu minha vida!

– Destruí que vida? Você não é nada e nunca foi. Eu fiz um favor para você!

Elisabeth percebeu que não era Jack quem estava falando, mas sim o demônio, pois Jack, além de seu irmão, era seu melhor amigo e nunca lhe diria isso.

 Mas ela continua o ritual.

Vendo que ela não estava dando atenção, o demônio que estava no corpo de Jack ficou furioso com ela, mas foi arremessado para longe porque tinha um escudo transparente em volta de Elisabeth.

Quando se levantou, Jack se tornou a face do demônio que começou a atacar o escudo. Logo ele estava rachando, mas Elisabeth já estava terminando o ritual para prender o demônio, só faltava uma oferenda humana.

Ela pega a adaga, diz as seguintes palavras: “Eu ofereço minha vida em troca de que leve esse demônio de volta para o inferno. Surgiu das trevas, volte para as trevas”.

Logo depois ela enfiou a adaga em seu próprio coração.

De repente, surgiu um portal que estava puxando o demônio e ele tenta fugir, mas foi logo sugado para dentro do portal.

John e Annita chegam logo em seguida. Eles se deparam com Elisabeth caída no chão morrendo, Annita corre em direção a ela, ajoelha-se e começa a chorar.

De repente, Elisabeth começa a falar:

– Por que você esta chorando, minha linda? Esse era o meu destino!

E Annita: – Isso só aconteceu por minha causa!

– Não, não é sua culpa! O demônio queria me matar para que eu não pudesse fazer o ritual que o prendeu! Ele te sequestrou só para me atrair para dentro da floresta.

Por mais alguns segundos, Elisabeth fechou os olhos e morreu.

Então John pega a garota e a abraça. De repente, surge uma voz suave vindo do céu. Ao olhar para o céu, avistam Elisabeth e Jack.

– Obrigada por vocês me ajudarem a me libertar – era a voz de Jack agradecendo.

– Não foi nada! – John diz.

E Annita: – Foi sim!

Então, começaram a dar gargalhadas. Jack e Elisabeth se despedem e entram nas nuvens até sumirem.

Annita e John saem da floresta. Dias depois, Annita reabre o bar de seu tio e John arruma um emprego como vigia noturno de um banco. Mas se eles pensam que acabou, estão enganados!

Brenda Bueno – 9º A

Anúncios

48 comentários em “O Massacre de Jack Temmor

  1. Victor disse:

    Parabéns menina! Está história baseia se em um pouco de “Misterios Macabros”!
    Está de parabéns!

  2. Lucas disse:

    Gostei bastante, essa historia e uma das melhores histórias de terror q ja li, bastante personagens. Gostei dela. Mais nao gostei da historia por conter muitas armas, tirando isso a história e otima. Bom trabalho

  3. guilherme conceição souza disse:

    legal muito toop

  4. Muito bom, essa história é muito envolvente uma explosão de medo e terror, Parabéns umas das melhores histórias o enredo ta muito top. 😜😍 A sua história + a do Thiago estão perfeitas, Boa Sorte nesse concurso.
    Samueel Soares 9°A

  5. Daniel disse:

    Muito Bom!

  6. Margarete disse:

    Gostei muito parabéns

  7. vinicius e victor disse:

    muito legal mas não senti medo

  8. priscila disse:

    Muito legal a história!! Parabéns 👏

  9. Guilherme Messias disse:

    Grande historia ❤

  10. Guh disse:

    Grande Historia

  11. Millene disse:

    Sua estória está muito boa. Parabéns

  12. Angel disse:

    Gostei da História muito Boa Parabéns

  13. deurivan disse:

    Sua estória está muito boa. Parabéns

  14. michelly disse:

    parabéns Brenda essa historia e muito legal me chocou muito

  15. jennifer disse:

    parabéns Brenda ficou bem legal

  16. kaique barbosa disse:

    parábens Brenda ficou muito legal muito criativo

  17. roama disse:

    amei seu conto boa sorte

  18. nicole cesario 6ªb disse:

    muito legal,amei parabéns Brenda e boa sorte

  19. Maria Vitória Gonçalves disse:

    – Parabéns bela história 👏 . . Mt Legal mesmo AMEEEI 👏👏👏💘

    Maria Vitória Gonçalves – 9°E

  20. hagata 6ªb disse:

    muito legal essa historia parabéns

  21. julia 6ªb disse:

    muito legal amei parabéns

  22. hagata 6ªb disse:

    muito legal parabéns e boa sorte

  23. julia 6ª disse:

    muito legal parabéns e boa sorte

  24. hagata disse:

    muito legal amei

  25. julia 6ªb disse:

    muito legal amei e boa sorte

  26. karina soares ,luana tayna disse:

    gostei da historia ,ter mudado um pouco o decorer da historia ,ter mudado um pouco sobre a historia muito conhecido do massacre da serra eletrica ,gostei do final da historia.
    Karina soares bianchi e,luana tayna dos santos rodrigues 9E

  27. Adorei a história muito boa e misteriosa parabéns.

  28. Saulo Alexandre disse:

    Conto bem elaborado,personagens interessantes e história cativante.
    Parabéns Brenda Bueno!

  29. Diego Rosati disse:

    “O Massacre de Jack Temmor. ” Muito boa a história, bem elaborada. São poucos que tem a capacidade e criatividade de desenvolver uma história tamanha como esta. Meus parabéns!

  30. Legal Muitoo criativo 👏👏

  31. Lucas matheus disse:

    Mt bom 🙂

  32. Edilaine disse:

    Adorei o conto, além do mais, é o meu gênero preferido. Parabéns! Por todo o enredo e pela criatividade.

  33. Liindy Martinez disse:

    Parabéns Brenda, ficou muito legal sua história, adorei!

  34. Pedro disse:

    Ótima história,muito bem elaborada,Parabêns.

  35. Fabiana disse:

    Parabéns adorei a história.

  36. kaique barbosa disse:

    quero continuação

  37. felipe 5a disse:

    parabens legal

  38. Rebeca Pereira disse:

    otimo conto gostei muito

  39. larissa e anarita disse:

    parebens gostei muito

  40. Yasmim Santos disse:

    muito bom parabens

  41. Bryan Enzo disse:

    muito legal

  42. rayane s. disse:

    parabens muito criativo

  43. jennifer disse:

    parabéns Brenda gostei do seu conto … parabèns

  44. Karina Ab disse:

    Oh Globs! A primeira história com armas e pessoas se matando que eu consigo entender. Palmas, palmas!
    Gostei muito da história, só achei meio confuso os nomes dos personagens (que na minha cabeça todo mundo é João). Mesmo a narrativa sendo longa, não ficou nem um pouco cansativa.

    Não pare de escrever! o/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s