Dois festivais para fazer inveja ao Brasil

 

Tudo bem. Vá lá!

Temos o Lollapalooza Brasil que cresce vertiginosamente ano após ano (neste ano, além dos astros rappers Snoop Dog e Eminem, temos Florence + the Machine, Noel Gallagher, entre outros), somos presenteados com o mimo de evento para poucos que é o Popload Festival, mas, infelizmente ficamos por aí mesmo.

Quando o negócio em pauta é festival de grande porte no Brasil não temos variedade nem qualidade suficiente para o tamanho do país e a quantidade de fãs de música pop-rock-indie por estes lados do Atlântico.

Nem mencionemos o Rock in Rio, pois nele estamos diante de um desfile de merchandising seguido por algumas atrações musicais aqui e ali.

Mas quando falamos dos eventos do período de verão europeu e americano a humilhação é muito devastadora.

Falamos semana passada sobre o line-up pesado do Primavera Sound (Espanha e Portugal), temos o Coachela, que todos os anos surpreende pela diversidade e tamanho, o Glastonbury logo logo chega com sua escalação e tantos outros anunciarão seus artistas ao longo dos próximos meses. Até mesmo as atividades voltadas ao metal são preciosas, como se constata em exemplos como o Wacken Open Air (Alemanha) e HellFest (França).

Porém , até eventos menores conseguem se movimentar para ter em seus dias de acontecimento gente do mais alto calibre. São os casos do NOS Alive em Lisboa, Portugal e do BBK Live em Bilbao, Espanha.

O mais engraçado é que ambos os festivais acontecem entre os dias 7 e 9 de julho de 2016 e algumas das bandas se revesam entre as duas atrações.

São os casos de Arcade Fire (que conseguiram tirar das férias merecidas), a sensacional Courtney Barnett, o melódico Father John Misty, os veteranos do Pixies, o competente Foals e a revelação Wolf Alice.

Entretanto, há outros artistas que puxam a fila de imperdíveis atrações para serem vistas em cada um dos lugares.

Em Lisboa você aproveita para ver o Radiohead (que lança coisa nova neste ano), pode dançar ao som do The Chemical Brothers e viajar com a música do novo Tame Impala. Ainda assim há muitas outras coisas legais para serem vistas como se pode constatar no flyer oficial do evento.

 

260116_arcadefire_portugal

 

No que diz respeito aos shows de Bilbao a empolgação pode ser fornecida pela apresentação do New Order (que lançou ótimo álbum em 2015), pela música solar do Hot Chip ou de atrações do próprio país como Hola a Todo El Mundo ou se descabelar com a energia do M83. O line-up completo está aqui embaixo.

260116_arcadefire_bilbao

Para dar mais uma invejinha que tal um pouco de cada uma das principais bandas ao vivo para querer cortar os pulsos?


Radiohead – Creep – From “The Astoria London Live” DVD


Arcade Fire – Wake Up – Reading Festival 2010


Courtney Barnett – Full Perfomance (Live on KEXP)


Enquanto isso, para não ficarmos apenas no olho grande já é hora de começarmos a nos preparar para o Lolla deste ano. Logo mais, nos próximos dias já iniciaremos uma série de posts com maiores informações sobre os participantes desta edição. Até lá!

Savages: O que vale mais no novo disco é sua energia precisa

Depois de ter aparecido por aqui em 2014 e acabado com o palco do Lollapalooza numa tarde de domingo, o Savages estrela as notícias do mundo musical desde os últimos meses do ano passado.

Primeiro, anunciou o lançamento do disco “Adore Life” e depois mostrando em pilulas alguns dos singles do novo trabalho.

E o que é esse segundo álbum delas?

Se o debut era recheado de referências ao Joy Division e ao pós-punk dos anos 80 este aqui conserva tais estruturas melódicas, mas se lança a uma sonoridade mais rebuscada produzindo encontros jazzísticos entre a ótima bateria de baterista Fay Milton e o alucinante baixo de  Ayse Hassan.

Mas a batida potente da banda ainda conduz uma pancadaria bem feroz. Os casos mais explícitos são a ótima “The Answer” (primeira do disco) e “T.I.W.Y.G” nas quais a guitarra nervosa bem tocada por Gemma Thompson e a voz personal de Jenny Beth são onipresentes.

Porém, a atmosfera 70’s-80’s fornece ambientes criativos e vocálicos audazes de Beth em “Evil” e “Sad Person” enquanto ecos de Siouxsie Sioux são percebidos.

As camadas de desfile melódico são mais sentidas durante o peso estrutural de “Adore”, “When in Love” e “I Need Something New”, mas seu tom depressivo disfarça bem para quem a escuta.

Algumas músicas como “Slowing Down the World” e “Surrender” são mais suingadas, mas parecem funcionar mais ao vivo, como foi comprovado em apresentações em Paris no fim do ano.

E o rápido e intenso disco termina com a tensa “Mechanics”.

É sabido que a maior marca da banda inglesa é sua parte instrumental e a energia em cima do palco, mas podemos notar nesse novo álbum que a estrutura melódica se baseia mais num lado tecnicista do que o empolgado e cheio de atalhos “Silence Yourself”.

Deste modo, o que já era energético num primeiro instante com todas as experimentações que fizeram as pessoas se interessarem pelo Savages agora se torna preciso e isso pode dar um caldo preciso ao vivo.


 

 

 

1 – The Answer

2 – Evil

3 – Sad Person

4 – Adore

5- Slowing Down the Down

6 – I Need Something New

7 – When in Love

8 – Surrender

9 – T.I.W.Y.G

10 – Mechanics


The Answer

 


 

Adore

 

 


 

T.I.W.Y.G

 


 

A boa do dia: Iggy Pop e Josh Homme juntos

Foi durante o dia de ontem.

Josh Homme revelou que gravou um disco secreto (não é mais!) em conjunto com a lenda viva (ainda bem, né 2016) Iggy Pop, que tem previsão de lançamento para março próximo. Para deixar a declaração ainda mais saborosa, a dupla apresentou a música “Gardenia” durante o programa de Stephen Colbert, o “Late Show with Stephen Colbert” na CBS.

A história toda por trás dessa parceria que já nasce histórica aparece num texto do New York Times da edição de ontem. Na matéria, Homme diz que Iggy mandou uma mensagem simples com o seguinte teor: “Hey, seria legal se gravássemos algo”.

Não é novidade que, assim como uma penca de gente famosa e não famosa do mundo tem em “The Idiot” e “Lust For Life” motivos suficientes para terem mudado suas vidas, o mesmo ocorreu para o líder do Queens of the Stone Age e a frase escrita pela Iguana foi somente o ponto de partida para a atividade dos dois iniciar.

O nome do álbum é “Post Pop Depression” e possui na maioria das letras temas apropriados a quem se aposenta. Para validar a suposição há uma declaração do proprio Pop que filosofa: “a vida americana é tão hiper-competitiva, o que acontece quando você não tem mais utilidade para ninguém além de si próprio? Você pode continuar a ser útil? Eu tinha um personagem em mente, uma mistura da minha pessoa com um militar veterano”. Viagens de um cantor em fim de carreira? Não, somente o esboço para um disco.

O trabalho foi financiado pela própria dupla e ainda conta com participações mais do que especiais de gente próxima aos dois como Troy Van Leeuwen (QOTSA) e Dean Fertita (QOTSA / The Dead Weather), Matt Helders (Arctic Monkeys) e Matt Sweeney (Chavez), que podem servir também de auxílio à dupla em alguns shows por aí.

Enquanto isso, o Eagles of Death Metal, banda da qual Josh Homme também faz parte, que já possui show agendado para o Brasil em Março no Lollapalooza não sabe se contará com sua presença já que o homem está se ocupando demais com tal projeto com Iggy. Além disso, os dois aparecerão em breve no misterioso filme Gutterdammerung, longa cheio de astro astros do rock mundial.

Haja trabalho, meninos!

Abaixo, a apresentação de ontem:

Ouça o novo single de Polly Jean. E não pare mais!

Saiu agora a pouco.

Não bastasse já figurar entre os line-ups dos principais festivais do verão europeu PJ Harvey parece que não irá parar por aí tendo anunciado hoje um novo single.

O lançamento do novo álbum está programado para o dia 15 de abril e o título está definido: “The Hope Six Demolition Project”. O trabalho sucede “Let England Shake”, disco de cinco anos atrás.

A música anunciada hoje se chama “The Wheel” e ganhou lançamento especial pelas mãos de Steve Lamacq na BBC Radio 6.

O site Popload fez um grande favor para a humanidade e gravou a música. Aqui está o link para a canção:

 

http://www.popload.com.br/e-bom-voce-parar-o-que-esta-fazendo-ouca-o-incrivel-novo-single-da-pj-harvey/

Abaixo, a capa do álbum:

capapj2

 

E tem o Primavera Sound, né!

Barcelona – Espanha – 01 a 04 de Junho de 2016. (Num dos cartazes aparece a confirmação até o dia 05, mas como em todos os outros dados do site oficial aparece até o dia 04 ficamos com essa opção).

Este é um período mágico na capital catalã, pois é quando acontece o sensacional Primavera Sound, festival dos mais impactantes e especiais do calendário musical mundial.

Você pode adquirir seu ingresso no site oficial do festival, clicando aqui.

Se desde 2001, primeira vez em que ocorreu o evento, já tivemos apresentações fortes como Pulp e Echo and the Bunnymen (2002), Flaming Lips e Belle and Sebastian (2011)  Blur e Nick Cave (2013), além de um sem número de outras atrações inesquecíveis tanto quanto competentes em cima dos palcos barcelonistas, agora teremos Radiohead, LCD Soundsystem, PJ Harvey, Tame Impala, Brian Wilson e mais uma penca de novas e velhas caras da música pop-rock ao redor do globo.

PJ Harvey – atração deste ano

Existe variedade no line-up não só no ritmo, mas também no estilo e naturalidade ods artistas no decorrer dos quatro dias de shows. Isso acontece, por exemplo, com a francesa Air, os islandeses Sigur Rós, os britânicos do Last Shadow Puppets e Savages, além de inda Deerhunter, Beirut, Parquet Courts, Animal Collective, Beach House e os veteranos Suede, Mudhoney, Tortoise, Shellac, Dinosaur Jr., Loop e Voltaire e Pyschic TV. Há outros tantos que serão falados mais à frente por aqui no blog ou que nunca foram mencionados por esses lados antes e isso é um ponto fora da curva a favor do festival espanhol.

Não é segredo para quem acompanha o blog que uma das maiores bandeiras nossas são a melhoria do espaço para bandas novas ou do circuito alternativo-independente.

Sendo assim, ver isso acontecer num evento gigantesco quanto o Primavera Sound prova que tal procedimento é possível, já que os grandes artistas que encabeçam os dias de shows promovem a venda quase que total dos ingressos.

O Primavera Sound ocorre desde o seu início no Parc del Fòrum, localizado no distrito de Sant Martí, longe cerca de seis quilômetros do centro de Barcelona.

Há também uma versão menor do festival em Portugal, no Parque da Cidade, dentro da cidade do Porto. Por lá somente foi confirmada a participação dos franceses do Air, mas já se sabe que a atividade acontece entre os dias 09 e 11 de junho próximo.

 

Para quem estiver afim de ir com o euro a 4,49, não é por nada não, mas vale a pena sim!!!

 

Abaixo, o vídeo com o anúncio oficial:

 

 

Cansado da TV Aberta brasileira? Você não está sozinho!

A notícia é nova, mas o sentimento já é relativamente antigo.

Ninguém mais aguenta a TV aberta brasileira. Os números falam por si só. A programação dos canais transmitidos para todo o país de forma gratuita tem sofrido com quedas drásticas nos últimos tempos.

Mesmo as meninas dos olhos de RGT, notadamente suas transmissões de futebol e as novelas noturnas, tiveram baixa em sua audiência ao redor de todo o território brasileiro.

A exceção é o aumento de receita da Rede Record, mas mesmo aí já é conhecida a tática de utilizar os horários em que há venda para programação religiosa da instituição que controla o canal, algo que mascara os números. Isso, inclusive, já foi mostrado pela Folha de São Paulo anos atrás (www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi05119814.htm).

Por outro lado, a TV paga brasileira que vinha crescendo ano após ano parece ter dado uma parada consistente em 2015 e isso não tem somente a ver com a crise econômica, mas também com a reclamação constante dos assinantes com relação ao serviço prestado por uma série de canais. Há alguns que possuem tanto ou mais propagandas comerciais do que as TVs abertas.

A reclamação geral acerca da TV aberta é a repetição de sua programação, falta de qualidade de suas atrações e pouca variedade de programas. O horário nobre então é uma piada, pois se você não gostar de folhetins, violência policial ou baixaria no palco fica evidentemente sem opções.

No escopo de tanta informação que só puxa para baixo a atuação do mercado televisivo nacional a única coisa que se destaca positivamente no último ano é o crescimento vertiginoso dos serviços de streaming.

Tal atividade é adotada por uma série de canais pagos (HBO, Telecine e Fox são os mais avançados nesse sentido), mas é a Netflix  quem está mais à frente no sentido qualitativo, tecnológico e financeiro.

Enquanto os outros canais citados apenas reproduzem o que sua programação no streaming de mesmo nome a Netflix se utiliza de conteúdo original e inédito para inflar ainda mais sua programação que possui filmes, séries e shows que já passaram pela tela de alguns desses mesmos canais.

Segundo o colunista Ricardo Feltrin, do UOL, a empresa faturou algo em torno de R$ 1,1 bilhão em 2015 e ultrapassou o SBT, que teria conquistado por volta de R$ 850 milhões.

Agora, se a diferença de lucro for em comparação à Band, a coisa fica muito mais nítida. A companhia americana arrecadou quase o triplo do canal que, de acordo com o previsto pelo mercado, lucrou apenas R$ 450 milhões.

É estimado que cerca de 4 milhões de brasileiros tenham a assinatura de algum pacote com a empresa (que gira em torno de 19,90 a 29,90). Além disso, cada diz que passa o canal divulga novos números animadores (para eles e para seus assinantes).

Recentemente, a Netflix divulgou ter chegado a 190 países, o que valorizou em quase 8% as suas ações nos EUA e já estuda incluir em seu pacote de programação atividade ao vivo e investimento em eventos esportivos.

Ajuda também neste processo a qualidade de seu conteúdo próprio e a forma como lida com o mercado (especialistas dizem que a empresa chega a pagar valores acima do mercado para os produtos que comercializa em sua plataforma).

Dessa forma, sem que haja melhoria da qualidade da TV aberta brasileira só resta ao telespectador nacional aguardar pela concorrência do mesmo serviço chegar a esta mesma estatura. Serviços como o Amazon TV e o Google TV, ou mesmo o Youtube que ainda não se decidiu como será sua atividade própria de vídeos ainda irão aportar por aqui, mas enquanto isso, o melhor é esperar isso assistindo a algum seriado pela Netflix.