O Bosque: nova série francesa da Netflix

Resultado de imagem para o bosque

 

Não é de agora que produções de suspense e mistério têm se multiplicado na cinematografia francesa dos últimos tempos, mas é evidente que algumas chamam mais à atenção do que outras.

E quando a Netflix coloca seu selo no produto fica tudo mais fácil para a série ou filme ficar famoso e despertar o interesse de seus clientes.

Foi assim recentemente, num padrão mais cult com “Le Chalet” e tal situação se repete agora com este “O Bosque” (La Forêt), da showrunner Delinda Jacobs.

Talhado a partir de uma ambientação que lembra muito “Dark”, fenômeno alemão que já teve renovado contrato para mais uma temporada, esta nova série vai se afastando dessa primeira impressão a partir do término do primeiro capítulo.

A estória se passa numa pequena cidade no interior da França que é cercada por grandes florestas e clima denso tanto pelo lado sombrio de seu nevoeiro ininterrupto sempre mostrado por um plano aéreo quanto pelo comportamento tenso de seus moradores.

Aparentemente, tendo uma população que tem sempre algo a esconder do vizinho ao lado, “O Bosque” se inicia com o desaparecimento de uma garota e do mistério envolvendo sua relação com outras duas meninas, estudantes do mesmo colégio. Uma delas é filha de uma das policiais locais mais atuantes que precisa lidar ao mesmo tempo com este caso enquanto tenta lidar com a chegada de um novo chefe do departamento.

O contraponto em relação a essa trama policial é a atuação da professora das meninas que faz de tudo para saber o que está acontecendo e, aos poucos revela também seus segredos mais íntimos e mais complexos acerca de seu passado.

Obviamente, que várias dessas coisas vão se cruzando ao longo dos seis episódios e uma maratona para assisti-la não é má ideia visto que em nenhum momento a direção e o trabalho dos atores deixa você descuidar do interesse pelos próximos passos do roteiro.

Aliás, se há uma qualidade a ser relatada em relação ao script é que sua total incapacidade de promover algo novo na maneira como desenrolar os fatos não é problema para a experiência de quem se propõe a vê-la. Ou seja, sabe fazer o arroz com feijão com louvor.

Com atores capacitados como a canadense Suzanne Clement, Samuel Labarthe e Alexia Barlier, “O Bosque” peca por não ter personagens mais multidimensionais, mas se segura pelo fato de que eles são bem vividos por seus intérpretes.

Dessa forma, não haverá surpresas que não sejam aquelas mesmas promovidas por qualquer novela da Globo, mas a diversão é garantida por um motivo simples: é tudo muito bem feito e bem encaixado sem dar espaço para muita crítica dos cenários, figurino e atuação.

Porém, há quem possa visualizar inúmeros furos em coisas simples por mero descuido da edição como erros em fluxos temporais ou desaparecimento de personagens, mas a trama central é conduzida de forma eficaz e acaba presenteando o espectador com bons momentos.

 

Enfim, nada formidável, mas passível de uma tarde agradável de diversão frente à TV.

 


 

 

 

Anúncios

Tente não gostar de Backstreet Boys depois deste vídeo

Resultado de imagem para backstreet boys jimmy fallon

 

O quadro televisivo já é conhecido.

Jimmy Fallon dentro de seu Late Show realiza tais intervenções faz tempo.

Fez com Metallica, Adele e Rage Agaisnt the Machine e bateu índices altíssimos de audiência no Youtube com cada um deles.

O mote do procedimento é o seguinte: Jimmy e sua banda de acompanhamento em seu programa (o ótimo The Roots) realizam uma versão de canções clássicas de alguns artistas utilizando apenas instrumentos musicais infantis.

Tem de tudo um pouco. Um pequeno bongô, bateriazinha eletrônica, pianinho fofo, chocalho, e violãozinho que mal cabe nas mãos dos músicos.

A atividade é bacana de se ver e acaba sendo super divertida. A participação especial do próprio cantor, cantora ou banda ilustra melhor ainda, pois se percebe que estão adorando a brincadeira.

Porém, para todos os casos citados lá em cima há de se levar em conta que falamos de artistas extremamente talentosos e com os quais não se tem nenhum preconceito pelo alto grau de capacidade instrumental/vocal de todos.

Mas no último exemplo dessa atividade Fallon e suia equipe foram criativos e ousados ao chamar os remanescentes da famosa Boy Band Backstreet Boys para fazer uma jam com um de seus hits, a quase onipresente nas rádios dos anos 90 “I Want That Way”.

O resultado não só ficou engraçado de se ver, mas com um requinte de qualidade que dificilmente teríamos coragem de dizer naqueles longínquos 20 anos atrás.

Confira abaixo é veja se não dá vontade de cantar junto com eles.

 


 

 


 

Novo do Gorillaz já na pista

Resultado de imagem para gorillaz the now now

 

Já está disponível nas principais plataformas de streaming e para venda física ou via internet o novo disco do Gorillaz, banda/evento/comic de Damon Albarn e Jamie Hewlett.

O nome do disco é “The Now Now” e vem recheado de grandes participações especiais (George Benson, Snoop Dogg, Jamie Principal), assim como sempre é esperado.

O álbum foi produzido pelo próprio Albarn e traz novidades nos seus integrantes virtuais: sai Murdoc (preso) e entra Ace (Meninas Superpoderosas).

Mas tirante a essas brincadeiras que movimentam a mitologia da banda o som por trás do projeto continua intenso, inventivo e cheio de liberdades poéticas e ambientais que traduzem em música todo o espírito renovador de seus criadores.

A bolacha que está sendo lançada pela Parlaphone com distribuição mundial realizada por Warner Bros Records sai um ano apenas depois de “Humanz” e sua divulgação já havia sido iniciada no show do All Points East Festival quando cartazes com frases e um link para um site faziam referência a um pequeno teaser contendo um trecho de uma nova música e a data de lançamento de hoje.

Já mesmo em 31 de maio, os singles “Humility” (que tem um clipe divertidíssimo com Jack Black) e “Lake Zurich” foram disponibilizados com o comentário de sua criador e compositor descrevendo o trabalho como  “praticamente só eu cantando” e “muito parecido com o mundo do 2-D”.

Algumas das onze faixas dessa nova atividade do Gorillaz já poderão ser conferidas na grande turnê anunciada recentemente que ainda terá a Demon Dayz Festival, evento criado e anunciado por Damon Albarn.

 


 

Humility

 

 


 

Lake Zurich

 

 


 

The Now Now – Gorillaz

 

Resultado de imagem para gorillaz the now now

 

1 – Humility

2 – Tranz

3 – Hollywood

4 – Kansas

5 – Sorcererz

6 – Idaho

7 – Lake Zurich

8 – Magic City

9 – Fire Flies

10 – One Percent

11 – Souk Eye

 


 

Festival de música brasileira realizada em Nova York terá versão aqui mesmo neste fim de semana. Entendeu?

Resultado de imagem para brasil summerfest 2018

 

Já faz 7 anos que a música brasileira é celebrada em Nova York através de um evento chamado Brasil Summerfest. O festival foi criado por Petrit Pula, produtor aficionado por artistas daqui e que teve uma nova ideia: realizar uma prévia do projeto por aqui também.

 

Essa avant premier da versão americana da festa acontecerá na Casa natura Musical neste sábado (23) e terá alguns dos mesmos nomes que estarão na metrópole estadunidense em Julho e Agosto: são eles Tiê, Xênia França e Negro Leo. Além deles, também teremos por aqui shows de Baianasystem, Ava Rocha e Roberta Sá.

 

Com apresentações sendo iniciadas a partir das 21h30 é possível comprar ingressos por até 25 reais, o mais barato, por meio do site eventim.com.br.

 


 

Novo disco de Lykke Li já está por aí

Resultado de imagem para lykke li novo album

 

Lykke Li está de volta com o lançamento de seu quarto trabalho de estúdio, o belo e intenso “So Sad So Sexy”.

O álbum em questão produzido por Jeff Bhasker (Kanye West, Rihanna), que nas horas vagas também é esposo da cantora, consumou numa alardeada guinada do disco de um som indie para a música eletro-hip-hop, mas meio que a discussão passa a ser irrelevante pela qualidade da obra final.

Com um vocal sexy e ritmado, Lykke Li se mantém nas pistas de 2011 e o novo álbum entrega a possibilidade de isso prosseguir por causa de sua aceleração e batidas bem marcadas.

O processo de promoção do trap em consonância com algumas provocações sensuais de R&B fazem da nova ação da cantora uma montanha russa de idas e vindas entre a melodia mais ritmada e o groove mais dance.

Alguns dos destaques dessa obra surgem com sintetizadas em “Hard Rain”, “Deep End”, “Sex Money Feelings Die”, “So Sad So Sexy” e “Bad Woman”.

O trabalho com 10 faixas deve aparecer bastante na temporada de shows por meio dos festivais de verão europeus e logo mais deve empolgar as arenas americanas a partir do Mês que vem.

 


 

Lykke Li – So Sad So Sexy

 

Resultado de imagem para lykke li SO SAD SO SEKY

1 – Hard Rain

2 – Deep End

3 – Two Nights

4 – Last Piece

5 – Jaguars in the Air

6 – Sex Money Feelings Die

7 – So Sad So Sexy

8 – Better Alone

9 – Bad Woman

10 – Utopia

 


 

 


 

O Grunge das meninas do L7: mais um show imperdível no eixo Rio-São Paulo

Resultado de imagem para l7 formação

 

O Grunge teve um bom período naqueles anos 90 e houve uma banda feminina (e feminista) que levou o gênero para um novo caminho. Estamos falando do L7, grupo formado por Donita Sparks, Susi Gardner, Demetra Plakas e Jennifer Finch.

 

Elas virão novamente ao Brasil 25 anos depois da histórica apresentação em São Paulo e Rio de Janeiro pelo finado Hollywood Rock, aquele mesmo festival que teve no mesmo final de semana shows de Nirvana, Alice in Chains e Nirvana.

As apresentações da meninas acontecerão dias 1º de dezembro, no Rio de Janeiro (Circo Voador) e em São Paulo (Tropical Butantã) no dia seguinte.

O Quarteto advindo da California também foi responsável pelo boom de  bandas semelhantes a elas na formação e no tema de suas letras a inundar as FMs americanas naquela época. Recentemente, elas voltaram à atividade nos palcos em 2014 e soltaram também duas canções inéditas: “Dispatch from Mar-a-Lago” e “I Came Back To Bitch”.

Quem está trazendo o L7 para cá é a Powerline Music, produtora que fará o mesmo com o Built to Spill em Setembro.

Os ingressos para do Rio de Janeiro custam a partir de R$ 90 e os de São Paulo, R$ 110, com abertura de Pin Ups (banda igualmente icônica do mundo indie paulistano) e Deb and The Mentals. Maiores informações pelos seguintes sites:

 

https://carrinho.tudus.com.br/circo-voador-l7/tickets

 

http://www.clubedoingresso.com/l7-sp

 


 

 

Indie no Brasil: safra forte de shows no segundo semestre de 2018

Resultado de imagem para shows indie no segundo semestre no brasil built to spill

 

Nos últimos dias, muitos shows do mundo indie têm sido confirmados aqui para o Brasil ou, pelo menos, estão sendo especulados para a América do Sul.

Uma das apresentações que foi definida para o público alternativo nacional é da banda veterana de mais de 25 anos de existência Built To Spill. Os caras vêm para cá pela primeira vez para shows em Belo Horizonte, no Música Quente, em 08 de Novembro e logo em seguida já partem para São Paulo, na Fabrique, em 09 de Novembro.

Os eventos são uma parceria entre Powerline e Balaclava e os ingressos já são encontrados no site http://www.clubedoingresso.com/builttospill.

 


Resultado de imagem para sublime with rome

 

Outro grupo importante que confirmou presença por esses lados do Cone Sul foi o Sublime With Rome.

A banda do single “Santeria” que se junta a Rome Ramirez volta ao país em Setembro para apresentações em três cidades: Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro.

As datas, locais e valores de ingressos já estão disponíveis nos sites de Blueticket (Porto Alegre), Ticket360 (São Paulo), e Eventim (Rio de Janeiro).


 

Resultado de imagem para noel gallagher

 

Além dos grandes artistas citados acima, há um grande rumor de que Noel Gallagher volte com sua banda High Flying Birds para novos shows por esses nossos lados tupiniquins.


 

Resultado de imagem para nick cave

 

E não esquecendo, por fim, que teremos Animal Collective e Father John Misty confirmadíssimos para o mês de Agosto em São Paulo e Rio de Janeiro (lá por meio do festival Queremos!), o maravilhoso Nick Cave nos presenteará com sua presença em Outubro e Lorde, Death Cab For Cutie, At The Drive In e Blondie em Novembro num mesmo dia através do ótimo Popload Festival.

 

Haja grana para tudo isso!