Oficina de Slam com a poeta Monique Martins

thumbnail (7)

 

Hoje (17) no período da manhã houve a oficina de poesia com a poeta Monique Martins que tinha como objetivo preparar e organizar os alunos e alunas para o Slam Interclasses da EMEF Professor Rivadávia Marques Junior com vistas à final do Slam Interescolar que ocorre em Novembro próximo.

Com data já marcada para a segunda semana de Outubro a atividade de Slam do Riva está com os preparativos bem adiantados e com os meninos e meninas bem empolgados já que seus textos estão tomando forma e os temas estão sendo aprofundados.

De posse de sentimento e força de vontade os adolescentes da comunidade do Jd. Nove de Julho foram presenteados com uma performance cheia de paixão por parte da atriz Monique Martins e seus exercícios de respiração e entonação de voz auxiliaram muito a todos.

Além disso, a oficina foi muito propícia para atividades de escrita e ação para uma aprendizagem de como iniciar um poema. Os alunos e alunas tiveram a chance de exteriorizar seus anseios e frustrações e colocaram no papel aquilo que acreditam e sentem afeto.

Por último, foi importante também a apresentação de alguns poemas por parte dos estudantes para se sentirem mais fortalecidos no processo de fala em público e isso também foi bastante benéfico para sua autoestima.

No final, a poeta ainda conversou bastante com alguns membros da comunidade escolar e muitas ideias surgiram daí.

Veja abaixo, algumas das imagens deste encontro:

 

 


 

 

Anúncios

Imprensa Jovem entrevista participantes do Slam do Riva

thumbnail (20)

 

Ontem durante a abertura dos Seminários Regionais de Direitos Humanos chamou à  atenção o trabalho interessante e diverso dos meninos e meninas da Imprensa Jovem da EMEF Lourenço Filho.

Sob a coordenação da professora Newci e a colaboração das meninas Julia, Laura, Rayanne e Clara o trabalho jornalístico foi notado por todos e todas e o empenho e seriedade do grupo foi presenciado de perto.

Posteriormente à ação do Slam do Riva os meninos e meninas da EMEF Professor Rivadávia Marques Junior e da EMEF Claudio Manoel da Costa foram chamados para dar uma entrevista e atenderam ao pedido imediatamente.

A cobertura jornalística completa será mostrada aqui em breve através de link para o trabalho da Imprensa Jovem, mas as fotos da entrevista já podem ser vistos aqui:

 

 


 

A participação do Slam do Riva no Seminário de Direitos Humanos

Assim como já falado no post anterior ontem foi a abertura dos Seminários Regionais de Direitos Humanos promovido pela Secretaria Municipal de Educação do Município de São Paulo e, além da palestra do professor Mario Sergio Cortella que abrilhantou o evento, também tivemos a participação dos meninos e meninas do Slam do Riva e a participação especial da aluna Marina (ganhadora do Slam Interescolar do ano passado) da EMEF Claudio Manoel da Costa.

A atividade teve a mediação do professor coordenador da Comissão de Mediação de Conflito da EMEF Professor Rivadávia Marques Junior e orientador da Sala de Leitura daquela escola.

Foi mostrada à plateia como funciona a atividade de Slam e o processo para trabalhar com os adolescentes a cultura de Batalha de Poesia na escola.

Além disso, foi importante ver a garotada tendo protagonismo na atividade comunitária e tendo a oportunidade de falar sobre coisas que sentem e se preocupam em situações externas como Meio-Ambiente, Direitos Humanos e questões sociais em geral e sentimentos internos como amor, depressão, ansiedade e estresse.

O Slam Interescolar terá sua 5ª edição neste ano e as escolas inscritas já estão realizando suas competições dentro de suas unidades.

Veja abaixo, algumas das imagens da ação cultural realizada ontem na Uninove Memorial da América Latina:

 

 


 

Abertura dos Seminários Regionais de Educação em Direitos Humanos. Veja as imagens

 

Ocorreu ontem a abertura dos Seminários Regionais de Educação em Direitos Humanos: Projeto Respeitar é Preciso promovido pelo Instituto Vladimir Herzog e pela Secretaria Municipal de Educação da cidade de São Paulo.

O evento contou com a participação do filósofo da Educação Mário Sérgio Cortella e da ação de duas escolas que realizaram apresentações culturais antes da palestra do ilustre professor.

Também houve a presença de autoridades locais e professores do município que tiveram a oportunidade de assistir a atividades que pretendem fazer com que não só os alunos, mas também toda a comunidade municipal tenham acesso a uma educação em direitos humanos que promova a paz e a cultura do respeito dentro e fora da escola.

Abaixo, veja algumas imagens do evento. Os seminários prosseguem durante toda a semana e aqui divulgaremos mais informações sobre os eventos.

 

 


 

Educação em Direitos Humanos e Mediação de Conflito: veja a entrevista com Celinha Nascimento e Dhiancarlo Miranda

ee7c4eb6-5bfc-4b2e-a7cf-a0fe09cecd61

 

Acontece na próxima segunda-feira (16) a abertura dos Seminários Regionais sobre Direitos Humanos do Projeto Respeitar é Preciso do Instituto Vladimir Herzog que terá em seu primeiro dia a presença do filósofo da educação Mario Sergio Cortella.

No mesmo dia também ocorrerá a apresentação de meninos e meninas da EMEF Professor Rivadávia Marques Junior e da EMEF Claudio Manoel da Costa com a perfomance de Slam Poetry.

Este, aliás, é um projeto que tem ocorrido muito nas escolas da periferia de São Paulo e muito se dá por conta do papel preponderante de professores, coordenadores e gestores na atuação com a mediação de conflito nas unidades escolares.

É por meio dessa ação que visa ouvir os alunos e alunas sobre suas neuras e problemas geradores de situações de conflito dentro e fora da sala de aula que pode-se trabalhar a questão dos direitos humanos e fazer com que os jovens entendam em que mundo estão inseridos.

Mais ainda, é por meio disso que uma luta conjunta começa a ser promovida nos confins da cidade pelos direitos que são confiscados todos os dias quando essa galera jovem acorda.

Dentro deste contexto, aconteceu hoje na Rádio Brasil Atual (98,9 FM) uma entrevista com a formadora do núcleo educativo do instituto Respeitar é Preciso, Celinha Nascimento, e com o professor Dhiancarlo Miranda, responsável pelo projeto de Slam na EMEF Professor Rivadávia Marques Junior e membro da comissão de mediação de conflito daquela unidade escolar.

Na entrevista não só se falou sobre os seminários que estão por vir, mas também sobre o papel do educador numa era em que problemas externos e internos tomam de assalto os corações e mentes desse público jovem.

Veja a entrevista na íntegra logo aqui abaixo:

 

 


 

O que aprender com Porto Rico

Resultado de imagem para protestos em porto rico

 

Em tempos de mamadeira de piroca e kit gay sendo veiculados pela extrema direita tosca da maneira mais absurda possível e de candidato meia boca ser eleito no Brasil presidente da República por causa da ódio de setores da sociedade contra o outro partido que estava disputando o governo é de se pensar que algo muito estranho está acontecendo por aqui.

Junte a isso a maneira como as mentiras são contadas dia após dia pelo tal alcaide eleito por meio de fake news tão inverossímeis e a sua habilidade em fazer besteira (tanto com a boca, quanto com sua caneta Bic) e temos um quadro mais do que favorável para protestos massivos em toda a nação.

Pois eis que já os tivemos: os protestos pela educação no mês de Maio foram volumosos e quantitativos, faziam uso de um discurso que a população apoia (o respeito pela educação pública no país), mas tinham como foco central a destituição do ministro da pasta e a revogação de cortes no setor que vinham afetando as universidades públicas.

De certa forma, as manifestações foram benéficas naquele momento, pois houve um terremoto na área do governo em que mais se acenavam lugares ao núcleo duro dos asseclas do presidente e de seu guru Olavo de Carvalho, porém havia uma reação calculada dos correligionários ligados à milícia neofascista e duas manifestações também foram realizadas em favor da família, bons costumes e o papo furado da luta contra a corrupção.

Foram robustas as atividades de apoio ao presidente e ao ministro ex-juiz? Óbvio que não, mas só a possibilidade da existência de ações conjuntas ao redor do país com características semelhantes ou idênticas às de 1964 que levaram ao golpe militar daquele ano já resumem que vivemos tempos difíceis e complexos.

A questão é que o ex péssimo militar eleito para gerenciar essa terra durante os próximos 4 anos comete atos ilícitos, ilegais, imorais, insanos e boçais a cada dia sem que haja um contraditório à altura de suas barbaridades para que ele e sua massa ficassem vermelhos de vergonha.

Além desses acintes contra a democracia e a favor de uma ideologização forçada da maneira como caminhar com qualquer tipo de questão nas diferentes pastas do governo há também, e isso é tão ou mais sério ainda, denúncias gravíssimas contra filhos do presidente no que tange à corrupção ativa e passiva, cheques esquisitos em conta da primeira-dama, Queiroz (o assessor desaparecido que se percebia ser a pista a levar a muitas outras coisas mais cabeludas) e ainda as conversas da Vaza-Jato que dão conta de um processo de eliminação do maior adversário do atual presidente na eleição passada, isso sem falar na esquisitíssima aproximação do administrador da nação com os assassinos de Marielle Franco.

Ou seja, motivos para gigantescas atividades populares contra este governo não faltam. Enormes gatilhos para que se haja uma movimentação da opinião pública contra o presidente são promovidos por ele próprio a cada segundo que abre a boca, mas o que parece ser um indício de anestesiamento popular esconde outros problemas em conjunto que falaremos mais à frente.

Enquanto isso, um pouco mais acima no globo terrestre um caso chama à atenção: o governador de Porto Rico, estado livre associado aos EUA, Ricardo Rosselló, está prestes a renunciar ao cargo por conta de mensagens vazadas de uma conversa que teve dias atrás com outras autoridades e conselheiros do governo em que seu conteúdo promove zombarias e insultos contra jornalistas, artistas, grupos LGBT e políticos em geral.

Logo em seguida ao vazamento das conversas em que o governador participou (veja bem, em nenhum momento foi sequer considerado não ser utilizado pela imprensa tal situação já que o seu conteúdo é extremamente relevante) houve profunda reação da sociedade porto-riquenha e de sua opinião pública. Figuras conhecidas da localidade como Rick Martin (homossexual assumido) tomaram a frente das manifestações que logo saíram do âmbito virtual (mensagens indignadas no Twitter e Facebook) para a convocação de manifestos e protestos nas ruas.

Os políticos que não estavam no meio dessas conversas não muito republicanas e, principalmente aqueles que foram alvo delas, inflaram os pedidos por explicações imediatas de Rosselló e a imprensa do lugar deu voz  para que os manifestantes explicassem o motivo da ira e de sua justificação.

Ora, mas isso não tem sido feito aqui também no Brasil?

Não!

Então vejamos: se colocarmos em evidência somente as conversas vazadas do ex-juiz que virou ministro do país tendo participado em seu antigo cargo da condenação do principal adversário do atual presidente da República em que combinados entre defesa e judiciário renderam procedimentos usados na própria condenação do réu que, muito provavelmente, teria sido eleito no lugar de quem ganhou, temos um conteúdo muito mais explosivo do que ocorreu com o governador de Porto Rico.

E a questão maior é que mesmo sendo assim a situação envolvendo o administrador do Estado situado na América Central algo considerado menor também é passível de repulsa e discordância imediata. Envolve misoginia, homofobia e zombaria impróprias não só com o teor do cargo que ocupa, mas para qualquer pessoa que preza pela tolerância e boa convivência humana. É crime e crime contra os direitos humanos.

O caso no Brasil é que o presidente faz isso todo dia. E pode incluir, além das questões citadas acima nos crimes cometidos por Ricardo Rosselló também o de xenofobia, racismo, prevaricação e crimes de responsabilidade invariavelmente dia assim e dia também.

No caso do ex-juiz temos conversas que explicitam a infração do código de ética do judiciário, de combinados que podem ter promovido ilicitude com dinheiro público, abuso de autoridade e outras coisas não citadas ainda.

E qual é a real importância dada pela imprensa nacional? Quase item de curiosidade, um exotismo do atual governo. Os poucos que falam algo nos grandes jornais e principais meios de comunicação do país não são relevantes para o grande público, para a imensa massa, é gente que fala para uma fatia da população que ou está pouco se lixando para isso ou que concorda com isso. Há ainda uma parte que se importa, mas que ainda não é tão grande ou não está sabendo transferir essa fala para a base do povo.

São os sindicalistas, os representantes da esquerda no Congresso e no Senado, os humoristas e artistas em geral que continuam apostando no mundo virtual para proferir sua indignação.

No protesto do último final de semana, lá em Porto Rico, Rick Martin empunhava orgulhoso em cima de um automóvel, uma bandeira LGBT e a balançava de um lado para o outro como quem diz: “Eu sei que preciso mostrar isso aos quatro ventos, pois senão tal situação será esquecida facilmente”.

Alguém pode dizer que se trata de um show pirotécnico desnecessário, mas é fácil discordar: o que a extrema-direita tem feito no Brasil (e em outros locais ao redor do mundo nos últimos anos) é realizar apresentações de  luzes e de cores para gritar pra todo mundo ouvir sua indignação seletiva com a corrupção e “com tudo o que está aí” sabendo que esconde por trás disso a manutenção de seus privilégios.

Se a esquerda não acordar e perceber que precisa mostrar aos olhos de quem vê esse monte de loucuras acontecendo com coisas palpáveis e expressivas não vai parar de haver o enchimento do barril de chorume que tantos representantes dessa nova linhagem neofascista tem ajudado a ocorrer.

Os líderes político-partidários realmente relevantes precisam dar voz aos que já se percebem livres das fake news e pós-verdades para que se desamarrem também das cordas da mídia alinhada com o atual governo.

A reforma da previdência tem custado muito caro a quem é pobre, pois por conta do patrocínio de muitos dos meios de comunicação a ela vários podres do governo de apenas sete meses de atuação têm ficado embaixo do tapete.

Existe um bom número de pessoas que ou já sabia ou já percebeu que isso está acontecendo? Sim, existe, mas não está conseguindo penetrar nos corações e mentes da parcela que realmente precisa entender: quem passa fome, quem está desesperado por um emprego ou quem mesmo está perdendo seu poder de compra precisa ser laçado por gente dona da palavra, possível dona da mudança dessa narrativa.

São os artistas que não querem sair da  militância de celular, são os partidos de esquerda que ainda acreditam nas ações judiciais para que atos inconstitucionais sejam revertidos, são os advogados progressistas que creem na reviravolta de muitas situações injustas e ilegais no STF, são mesmo os esportistas famosos e cheios de fãs que precisam gritar aos microfones que não aceitam o que está acontecendo, são até os sindicalistas que fazem acordo com o governo e com o congresso para que as perdas sejam as mínimas possíveis esquecendo que o principal ativo de sua instituição são os seus associados.

Enquanto isso, há gente brava e guerreira na própria periferia, como os líderes e integrantes dos Slams (batalhas de poesias) que inflamam a plateia com suas ideias e seus gritos vociferando contra essa caravana de reacionarismo e mediocridade, há também os movimentos sociais como MST, MTST, Movimentos Negros em geral e LGBTs que já conseguem chegar às cabeças de meninos e meninas para enfrentar a violência, a fome, a falta de moradia e falta de livre pensar.

Mas para que a primeira leva (o mainstream) se encontre com a segunda (o pessoal do chão de rua) há a necessidade de que a pauta seja a mais próxima possível. A luta ainda é a de classes e tudo o que vem junto é bem vindo, mas numa situação como a que vivemos precisamos de holofote, precisamos de visão e muito mais criatividade.

 

Que aprendamos com Porto Rico para não perdermos mais do nosso presente e não seja destruído inteiramente nosso futuro.

 

Sem que haja um pensamento mais ativo e em prol de uma ação direta não haverá realmente uma frente popular e forte contra esse governo estúpido e criminoso. Sem uma base indignada sapiente do alvo que precisa atingir não se conseguirá promover a real meta: que este governo pare de nos matar e avacalhar com este país dia após dia.

Dia da Família na Escola no Riva: Veja as imagens do evento

img_20190629_0927447291255641756629752010.jpg

 

Acontece neste sábado (29) em várias escolas do município de São Paulo a atividade chamada Dia da Família na Escola, evento que reúne toda a diversidade da constituição familiar em nossa sociedade respeitando as diferenças e particularidades de cada uma dessas constituições tão importantes para a  educação das crianças e adolescentes.

Obviamente que a EMEF Professor Rivadávia Marques Junior não poderia ficar de fora deste tipo de ação tão preponderante para a comunidade e promove também uma série de atrações para os estudantes e seus responsáveis.

Também participam da atividade irmãos e irmãs, tios e tias, vizinhos e vizinhas e outros entes queridos dos nossos alunos e alunas que desempenham papeis, demonstram trabalhos inventivos e percorrem todo o espaço da escola mostrando sua criatividade para a confecção de arte e promoção da ciência, para o desenvolvimento de pesquisas, prevenção de problemas na comunidade e resolução de situações do seu entorno.

A atividade ocorre por toda a manhã e tem como objetivo principal melhorar e fazer evoluir a participação das famílias na vida escolar de meninos e meninas, além de proporcionar um dia prazeroso no qual o contato diverso faz com que tenhamos ciência de que estamos no caminho certo por uma educação de qualidade.

Abaixo, vemos algumas imagens da ação (que só está em seu início) e podemos também tirar disso a lição de que sempre é possível fazer mais por nosso futuro. Que a paz e a luta por melhores caminhos vença o obscurantismo e a ode à ignorância que tomam conta de nosso país.

 

Viva à educação!