Oficina de Slam com a poeta Monique Martins

thumbnail (7)

 

Hoje (17) no período da manhã houve a oficina de poesia com a poeta Monique Martins que tinha como objetivo preparar e organizar os alunos e alunas para o Slam Interclasses da EMEF Professor Rivadávia Marques Junior com vistas à final do Slam Interescolar que ocorre em Novembro próximo.

Com data já marcada para a segunda semana de Outubro a atividade de Slam do Riva está com os preparativos bem adiantados e com os meninos e meninas bem empolgados já que seus textos estão tomando forma e os temas estão sendo aprofundados.

De posse de sentimento e força de vontade os adolescentes da comunidade do Jd. Nove de Julho foram presenteados com uma performance cheia de paixão por parte da atriz Monique Martins e seus exercícios de respiração e entonação de voz auxiliaram muito a todos.

Além disso, a oficina foi muito propícia para atividades de escrita e ação para uma aprendizagem de como iniciar um poema. Os alunos e alunas tiveram a chance de exteriorizar seus anseios e frustrações e colocaram no papel aquilo que acreditam e sentem afeto.

Por último, foi importante também a apresentação de alguns poemas por parte dos estudantes para se sentirem mais fortalecidos no processo de fala em público e isso também foi bastante benéfico para sua autoestima.

No final, a poeta ainda conversou bastante com alguns membros da comunidade escolar e muitas ideias surgiram daí.

Veja abaixo, algumas das imagens deste encontro:

 

 


 

 

Anúncios

Imprensa Jovem entrevista participantes do Slam do Riva

thumbnail (20)

 

Ontem durante a abertura dos Seminários Regionais de Direitos Humanos chamou à  atenção o trabalho interessante e diverso dos meninos e meninas da Imprensa Jovem da EMEF Lourenço Filho.

Sob a coordenação da professora Newci e a colaboração das meninas Julia, Laura, Rayanne e Clara o trabalho jornalístico foi notado por todos e todas e o empenho e seriedade do grupo foi presenciado de perto.

Posteriormente à ação do Slam do Riva os meninos e meninas da EMEF Professor Rivadávia Marques Junior e da EMEF Claudio Manoel da Costa foram chamados para dar uma entrevista e atenderam ao pedido imediatamente.

A cobertura jornalística completa será mostrada aqui em breve através de link para o trabalho da Imprensa Jovem, mas as fotos da entrevista já podem ser vistos aqui:

 

 


 

A participação do Slam do Riva no Seminário de Direitos Humanos

Assim como já falado no post anterior ontem foi a abertura dos Seminários Regionais de Direitos Humanos promovido pela Secretaria Municipal de Educação do Município de São Paulo e, além da palestra do professor Mario Sergio Cortella que abrilhantou o evento, também tivemos a participação dos meninos e meninas do Slam do Riva e a participação especial da aluna Marina (ganhadora do Slam Interescolar do ano passado) da EMEF Claudio Manoel da Costa.

A atividade teve a mediação do professor coordenador da Comissão de Mediação de Conflito da EMEF Professor Rivadávia Marques Junior e orientador da Sala de Leitura daquela escola.

Foi mostrada à plateia como funciona a atividade de Slam e o processo para trabalhar com os adolescentes a cultura de Batalha de Poesia na escola.

Além disso, foi importante ver a garotada tendo protagonismo na atividade comunitária e tendo a oportunidade de falar sobre coisas que sentem e se preocupam em situações externas como Meio-Ambiente, Direitos Humanos e questões sociais em geral e sentimentos internos como amor, depressão, ansiedade e estresse.

O Slam Interescolar terá sua 5ª edição neste ano e as escolas inscritas já estão realizando suas competições dentro de suas unidades.

Veja abaixo, algumas das imagens da ação cultural realizada ontem na Uninove Memorial da América Latina:

 

 


 

Abertura dos Seminários Regionais de Educação em Direitos Humanos. Veja as imagens

 

Ocorreu ontem a abertura dos Seminários Regionais de Educação em Direitos Humanos: Projeto Respeitar é Preciso promovido pelo Instituto Vladimir Herzog e pela Secretaria Municipal de Educação da cidade de São Paulo.

O evento contou com a participação do filósofo da Educação Mário Sérgio Cortella e da ação de duas escolas que realizaram apresentações culturais antes da palestra do ilustre professor.

Também houve a presença de autoridades locais e professores do município que tiveram a oportunidade de assistir a atividades que pretendem fazer com que não só os alunos, mas também toda a comunidade municipal tenham acesso a uma educação em direitos humanos que promova a paz e a cultura do respeito dentro e fora da escola.

Abaixo, veja algumas imagens do evento. Os seminários prosseguem durante toda a semana e aqui divulgaremos mais informações sobre os eventos.

 

 


 

Mediação de Leitura com a EMEI Cecília Meirelles

Como em todos os últimos anos novamente os alunos mediadores da EMEF Professor Rivadávia Marques Junior iniciaram sob a supervisão do professor Dhiancarlo Miranda da Sala de Leitura a atividade de mediação com os alunos e alunas da EMEI Cecília Meirelles.

 

O projeto tem como objetivo principal incentivar as crianças a adentrarem no mundo da leitura e da literatura universal e entenderem a importância da audição e da contação de histórias para a cultura popular nacional.

 

Haverá inúmeras outras visitas até o final do ano de 2019, mas já temos registros de como começou esta ação que é tão agradável para alunos, alunas e professores, tanto para quem está fazendo como para também aqueles que estão apenas como espectadores.

 

Veja abaixo várias fotos da atividade:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

Atividades da Sala de Leitura do Riva

img_20190617_1116057198419792793402921749.jpg

 

As atividades realizadas pela Sala de Leitura Cora Coralina da EMEF Professor Rivadávia Marques Junior prosseguem neste 2019 e não vão parar tão cedo.

Agora, o projeto que está sendo colocado em prática é a leitura ao pé do ouvido na EMEI Cecília Meireles que fica em frente à unidade escolar do projeto citado.

Lá estão sendo desenvolvidas leituras diretamente com os alunos de 04 e 05 anos e todas as interações são elogiadas tanto pelas professoras quanto pela gestão do local e, obviamente, pelos meninos e meninas.

A ação ocorrerá ainda na próxima semana que precede as férias de meio de ano das crianças.

Em agosto as atividades todas continuarão a acontecer com dramatizações, leituras em grupo e visitas dos pequenos à EMEF.

Veja abaixo algumas das imagens da visita feita pelas meninas mediadoras de leitura de nossa escola.

 

 

 

2º Grande Encontro das Comissões de Mediação de Conflitos da Cidade de São Paulo

img_20190603_095029722_burst000_cover_top4119499839798456694.jpg

 

Aconteceu na última segunda-feira (03) o 2º Grande Encontro das Comissões de Mediação de Conflitos da Cidade de São Paulo, organizado pela SME (Secretaria Municipal de Educação) que teve como intuito principal fortalecer a atividade conjunta que há entre o município e o Instituto Vladimir Herzog com o Projeto Respeitar É Preciso.

Na ocasião professores e educadores em geral das escolas e instituições de ensino da cidade estiveram presentes no Auditório Ibirapuera para prestigiar a troca de ideias e apresentação de atividades realizadas em diversos locais sobre o tema da mediação de conflito e do trato dos direitos humanos dentro e fora da escola pública.

Para iniciar o evento aconteceu a apresentação do Coral da Gente do Instituto Bacarelli, grupo constituído por inúmeras crianças e adolescentes carentes oriundas da comunidade de Heliópolis de São Paulo. A atividade teve como base músicas da MPB e clássicos da música mundial. O show foi aplaudido de pé e foi importante para mostrar o quanto a própria mediação de conflito influi positivamente na vida dessas pessoas.

Quanto ao evento de debates houve grande empolgação de todos com as falas das autoridades presentes e mais ênfase na procura por entendimento do tema do encontro com a apresentação dos cadernos de mediação com foco na Educação em Direitos Humanos lançados e explicados pelas Professoras Ana Lucia Catão e Ana Rosa Abreu, além da Professora Doutora Flavia Inês Schilling que expressou sua alegria pelo fato de que tais métodos de mediação escolar estão sendo colocados em prática aqui na cidade.

Após isso houve relatos de experiência de CEIs e EMEFs da implantação da Mediação de Conflito com os prós e contras das ações criadas e modificadas de acordo com o público-alvo e do local em que se estabeleceu o diálogo como princípio básico da relação professor-aluno.

Ainda aconteceu uma mesa de discussão com as professoras doutoras Daniele Kowalewski e Maria Paula Vignola Zurawski demonstrando como o estudo teórico influi nas práticas de ensino e na mediação de conflitos internos das instituições de ensino e da forma como aprendemos com o estudo do meio. Isso tudo culminou com perguntas advindas do público e respostas das pesquisadoras.

Por fim, foi visualizado pela plateia vídeo institucional do Instituto Vladimir Herzog e da Secretaria Municipal de Educação.

Dessa forma, cresce a importância da atividade já implantada no município de São Paulo como um método possível de troca de experiências entre os educadores e destes com as crianças e adolescentes e como política de ensino da cidade e não apenas como plano de governo deste ou aquele partido.

Em tempos em que o diálogo cada vez mais sofre nas mãos de autoridades que se veem acima do bem e do mal e que as relações humanas se degradam por questões de discriminação e preconceito, nada mais aliviante do que encontrar numa atividade como essa pessoas que ainda acreditam na reconstrução dos relacionamentos humanos e na educação como forma de evoluir. Mesmo que para isso tenhamos que explicar para aqueles que deveriam geri-la (vide o caso de ministros e outros membros do governo federal atual) o quanto é imprescindível a educação e tudo o que se relaciona a ela na vida de todos.