A segunda temporada de Making a Murderer já está entre nós

Resultado de imagem para making a murderer temporada 2

 

A segunda temporada da série da Netflix Making a Murderer já foi disponibilizada no canal de streaming com todos os dez episódios podendo ser assistidos em sequência.

Dona de uma audiência expressiva, a primeira temporada foi lançada no final de 2015 e acabou com o espírito natalino de muita gente naquela época (este que vos escreve, inclusive).

A segunda parte da atividade dirigida pela dupla Laura Ricciard e Moira Demos dá a impressão de querer fazer o mesmo contigo desde o início do primeiro capítulo. Já terminei o segundo e agora parece que ficará o misto entre o desespero para terminar logo e a angústia com tanta coisa negativa passando pela sua frente que outro sentimento, o de tentar mastigar pausadamente cada bofetada que a série te dá, faça com que você não queira ver tudo isso de uma só vez.

Making a Murderer segue a trilha do caso envolvendo as prisões de Steven Avery em duas ocasiões diferentes e todo o processo pelo qual ele passou nesse ínterim, primeiro, por ter sido descoberto que não era o criminoso da primeira vez que foi acusado e encarcerado e, segundo, do crime pelo qual ele e seu sobrinho Brendan Dassey foram presos e que, agora, tentam provar sua inocência.

Seria mais uma série sobre crimes famosos se não fosse o fato de que nos dois processos movidos pela promotoria pública de Manitowoc, Wisconsin, há inúmeras inconsistências (para não falar, mentiras) e reviravoltas que fizeram até um número gigantesco de pessoas pedir à época do lançamento da primeira temporada do programa a concessão da anistia por parte do então presidente Barack Obama.

 

É bom que se diga também que até aqui essa temporada também faz um trabalho de metalinguagem mostrando muito daquilo que mudou por conta da ação e da reação das pessoas depois da exibição da primeira temporada.

 

Portanto, assista a esta segunda temporada da série e sinta mais de perto como o mundo pode ser nojento e as pessoas, mais escrotas ainda.

 


 

 


 

Anúncios

“A maldição da Residência Hill” é ótima, mas ela pode te enganar

Resultado de imagem para a maldição da residência hill

 

Um sentimento que tem tomado uma galera que curte séries e filmes sejam estes do cinema ou não é de que alguns trailers tem enganado demais aos espectadores. Não, não digo em relação à produção ruim que teve um teaser ou trailer bem editado que conseguiu esconder os defeitos do longa completo. Um caso bem conhecido recente é “Esquadrão Suicida” (2016) que tinha um fabuloso chama-trouxa no seu comercial exibido meses antes de seu lançamento que enganou a todos que foram assistir ao filme e saíram revoltados da sessão.

A minha constatação na qual procuro lançar luz aqui é com aquele tipo de série ou filme que tem um trailer que parece vender uma coisa totalmente diferente do que de fato o é.  E quem tem sofrido demais com isso são os fãs do gênero de terror.

Dois exemplos recentes são “A Bruxa” (2015) e “Hereditário” (2018) que pareciam ser algo que se mostrou muito fora do comum posteriormente. Ambos são, de fato, alguns dos melhores filmes da área, mas são tudo menos o que se assemelhava ao trailer de divulgação anterior. Muitos críticos notaram isso e ainda puderam nos avisar com certa rapidez, mas nem todo mundo acompanha assiduamente esse nicho informativo para ficar esperto e não ser pego de surpresa.

Essa é a sensação exata de quem assistiu ao trailer de “A Maldição da Residência Hill” (2018), série original Netflix de autoria do produtor, diretor e roteirista Mike Flanagan que é levemente inspirada (preste atenção à palavra usada) no livro “The Haunting of Hill House” (1959) de Shirley Jackson.

A questão essencial que nos leva ao pensamento de que fomos enganados pelo trailer exibido pela empresa de streaming norte-americana é que lá parecia que estaríamos em frente a uma produção de terror físico cheio de jumpscares que nos aterrorizaria do modo mais prático e usual ao qual estamos super acostumados.

A parte positiva a respeito disso: a série é muito mais do que isso. E bota “mais do que isso”, pois o programa é um terror psicológico que age em dois momentos da história de uma família (os Crain): a primeira situação em 1992 quando os cinco irmãos Steve, Shirleu, Theodora, Luke e Eleonor junto com a mãe Olivia e o pai Hugh se mudam para a residência título da trama com o intuito do patriarca engenheiro (e faz tudo) resolver os problemas do velho casarão que adquiriu por uma módica quantia para que a venda proporcione boa grana a fim de construir a tal casa dos sonhos que a mãe arquiteta está planejando há algum tempo. Neste pequeno tempo de moradia fatos estranhos e traumatizantes vão mexer com a vida de todos ali; a segunda situação é 26 anos depois (o período atual) na qual todos têm de lidar com os fantasmas (no sentido literal e figurado) do passado.

Se colocarmos em prática nomenclaturas exatas do manual de gêneros cinematográficos lidamos portanto com um terror psicológico que se emenda com um drama familiar que por breves momentos pode descambar para um horror mais físico ou de sustos fáceis. Essa mesma cartilha dirá que a produção homenageia clássicos como “Poltergeist” (1982), “Terror em Amityville” (1979), “Os Outros” (2001) e “O Iluminado” (1980), além de claras influências da primeira temporada de American Horror Story (2011), que recebeu a alcunha de Murder House.

O mais importante dessa análise sobre o que estamos assistindo é que tudo é feito com muito esmero e capricho e que a edição de som é fantástica, a edição de imagens é bem inteligente e sem pressa, a fotografia é perfeita no que pretende mexer com a cabeça do público que escolheu participar dessa viagem entre o passado e o presente, as cores, sombras e luzes que são importantes para mostrar a desgraceira que essa família foi obrigada a conviver enquanto o tempo passa para eles e para nós.

O ritmo da série é lenta o suficiente para que as personagens sejam bem trabalhadas e cada um dos primeiros seis capítulos é focado num membro da família enquanto uma sétima personagem permeia a todos e funciona como fio condutor de toda a loucura que vai culminar (ou já culminou) quando descobrimos o que de fato aconteceu para todos terem a garganta engasgada eternamente e não conseguirem seguir tranquilamente suas vidas.

Enfim, trata-se de uma série que vai te enganar bastante e vai te proporcionar momentos de tensão que vão se alongando conforme você vai se afeiçoando às pessoas que ali estão nos dez capítulos da trama.

Pontos mais do que positivos à atuação de todos e, em especial, aos atores e atrizes mirins que fazem entregam verossimilhança à obra. Outro destaque é com relação aos planos-sequência do 7º episódio (talvez o melhor dessa temporada) que provocam certo frescor ao ritmo da produção e quem está assistindo é levado a um novo nível de satisfação cinematográfica. Por fim, é essencial advertir a todos que já leram o livro homônimo de 1959 de que se trata mesmo de uma leve inspiração na obra literária já que de base mesmo dali só mesmo temos o nome da residência (que no livro a palavra Hill se refere a uma colina enquanto aqui estamos falando da família Hill, portanto um sobrenome), o casal Dudley (mesmo que tenham muitas diferenças do livro para a série), e que os Crain no livro, na verdade, eram liderados por um homem excêntrico que teria construído a casa enquanto que na série o patriarca da família fez o que já explicamos lá no início. Outra situação de diferenciação é que personagens como Nelly (ou Eleonor) e Theo têm funções e motivações totalmente diferentes de uma obra para a outra.

 

Portanto, “A Maldição da Residência Hill” é uma das melhores séries de terror já produzidas, mas que você vai ser enganado, ah isso vai, sem dúvida.

 


 

 


 

 

“Paradise PD” é a nova série animada da Netflix que você precisa ver

Resultado de imagem para paradise pd

 

Nos últimos dias muito tem se falado de (Des) Encanto, nova série dos mesmos produtores de Simpsons e Futurama e de sua qualidade narrativa, algo que colocou sombra sobre outro programa igualmente inventivo que ficou em segundo plano. “Paradise PD” é tudo aquilo que as séries dos anos 2000 de Seth MacFarlane são: tosca, politicamente incorreta, ácida e reflexiva em vários aspectos.

Obviamente, que a única diferença é que não tem o criador de Family Guy e American Dad como seu autor, esta atividade cabe à dupla Roger Black e por Waco O’Guin, também produtores de Bickleberry.

A trama se passa na pequena cidade de Paradise onde a polícia local tem dificuldade em se manter de pé por conta dos constantes cortes de gastos públicos e das brigas entre o chefe da corporação e a prefeita, que já foram casados um dia.

Nessa realidade o corpo policial da cidade tem vários estereótipos que são altamente utilizados durante os episódios da primeira temporada que já está disponível na plataforma de estreaming americana: a única mulher é uma verdadeira badass, o gordinho bonachão, o negro que tenta seu lugar ao sol, o veterano que quase não tem mais função e o garoto que tenta impressionar o pai capitão. Há até espaço para um mendigo que é colocado às pressas em ação e o cão policial que acabou por se tornar um viciado em todo o tipo de droga possível.

Os episódios são curtinhos e possuem uma sequência cronológica bem definida, o que atrapalha assistir aleatoriamente. Mas como passa rápido é fácil de assistir à primeira temporada do desenho numa única noite. E é garantido de que isso não será um esforço hercúleo por conta da quantidade de gargalhadas que você irá dar.

Portanto, se a sua procura é por diversão fácil no seu final de dia fique com “Paradise PD” sem pestanejar, mas só faça isso se não se importar com algumas escolhas criativas da produção que abusa de piadas que podem ser consideradas para algumas pessoas mais sensíveis às demonstrações sarcásticas com política, religião e instituições como a família.

Enfim, o programa tem fôlego para entrar no hall das séries que não têm medo de fazer rir.

 

 


 

 

1ª Temporada de Succession termina com fôlego para a próxima

Resultado de imagem para succession imdb

 

O início de Succession dava a pinta de demonstrar um seriado fechado com começo, meio e fim acontecendo nestes dez capítulos que seriam finalizados ontem pela HBO num trabalho de excelência de Jesse Armstrong.

Mas o que ninguém esperava era que o desenvolvimento dos personagens ultrapassasse o clichê habitual de uma família rica que luta por poder tal qual já aconteceu tantas vezes. Uma espécie de Dallas moderno.

Ok, o mote do programa é este. Mas além da figura de Logan Roy (Brian Cox) claramente inspirado em inúmeros barões da mídia conservadora americana (assim como poderia ser comparado com um certo senhor Marinho por esses lados de cá) e da sua arrogância acumulada com perspicácia e malandragem no mundo corporativo/político também havia muito o que contar sobre os seus filhos.

Sim, em muitas de suas características todos são arquétipos de uma forma de ser já apresentada na TV e no cinema, mas quando aprofundados não se via apenas sua vida mesquinha, cheia de empáfia e vazia. Há muitas camadas que tanto Kendall Roy (Jeremy Armstrong) quanto Shiv Roy (Sarah Snook), Connor Roy (Alan Ruck) e Roman Roy (Kieran Culkin) puderam tatuar em tela para que o telespectador analisasse de quem gostava menos ou odiava mais.

Certo, há os coadjuvantes de dentro da família como Greg (Nicholas Braun), Marcia (Hiam Abbass) e Tom (Matthew McFadyen) e um destaque especial para a participação curtinha de James Cromwell vivendo Ewan Roy e não se pode menosprezar todo o restante do elenco de apoio, mas o roteiro vai e vem e sempre pousa sobre os ombros da aura perturbadora de Logan e da sombra que abate sobre seus herdeiros.

A edição também é ótima e se alinha com a decisão de focalizar as cenas por meio de uma câmera ora tremida, ora em zoom e looks que vão e vêm para tomar conta de alguns segundos dos traços do rosto do personagem ou da forma como está falando.

É certo que houve em alguns momentos da temporada uma lentidão exagerada para chegar ao próximo passo, algo que se avizinhava de maneira quase óbvia, mas que se prejudicava por enrolações desnecessárias, porém isso ainda não foi suficiente para tirar o ritmo bom do show.

E nos últimos três capítulos aconteceu o mais relevante, mas tudo isso só poderia ser importado por quem assiste se de fato houvesse uma conexão com a história e com os protagonistas desde as primeiras cenas lá no início.

Dessa forma, a entrada de vez de Shiv no mais alto grau da política estadunidense (e seus podres também), a demonstração do quão ridículo é Roman, o desvendamento da figura patética que é Connor e a insegurança frente a tudo que tem a ver com o pai no que diz respeito a Kendhal tiveram seu ápice agora em conjunto com a prepotência que caracteriza a todos eles.

Afinal de contas, dificilmente numa série que busca mostrar como é o mundo corporativo lá no topo da cadeia haveria lugar para pessoas que se importam com o próximo ou com a moral e a ética.

E nesse sentido uma segunda temporada se faz necessária para termos acesso a mais meandros deste mundo e de suas entranhas cada vez mais nojentas e inescrupulosas. Um último destaque para a qualidade da trilha sonora em geral e a abertura do programa (apesar do uso excessivo de seu tema na maioria dos episódios).

 

 

 


 

Sharp Objects é obra refinada em meio a temas profundos

Resultado de imagem para sharp objects

 

Ainda estamos no terceiro episódio, mas diante do que já se viu Sharp Objects (HBO – Todo Domingo às 22 horas) é pedaço do cinema de arte feito para a TV.

Minissérie criada por Marti Noxon e produzida pela própria protagonista do programa, Amy Adams, a história é toda baseada no livro de Gillian Flynn que, diriam os seus leitores, seria quase impossível de ser adaptada para a tela pequena ou grande por conta de suas variáveis entre fatos, pensamentos e divagações da personagem Camille Preaker que dificultam qualquer forma de transferência para a imagem.

Mas o diretor Jean-Marc Vallée (que já tinha dado show em Big Little Lies) está irrepreensível até aqui e manda muito bem na direção e na edição da produção. Com ritmo lento e tenso por todo o caminho que percorre na pequena cidade de Wind Gap a câmera de Vallée te atordoa com cortes curtos, mas não rápidos, de cenas que transpassam as reminiscências de Camille enquanto viaja metaforicamente quando acorda ou quando dirige ouvindo clássicos do rock.

A trama se inicia quando o chefe de redação da protagonista Frank Curry (Miguel Sandoval) solicita à jornalista Camille (Amy Adams) que vá até sua cidade natal investigar o assassinato de uma menina e o desaparecimento de outra em situações misteriosas.

Ao chegar na cidade cheia de pessoas esquisitas é que percebemos que a protagonista tem problemas sérios com seu passado e, principalmente, sua mãe Adora Crellin (Patricia Clarkson), uma das figuronas do local.

Por lá sabemos que há rusgas mal resolvidas entre mãe e filha, mas também se pode retirar dessa relação que para a filha ficou a ansiedade, a dificuldade em se impor num relacionamento (qualquer que seja ele), o alcoolismo e algo a ver com o título do programa (objetos cortantes, em tradução livre).

E neste ponto, também se pode concluir (pelo menos por enquanto) que Adora pratica algo que podemos chamar de chantagem emocional crônica e que funciona muito bem com a filha mais velha e mais ou menos com a filha adolescente Amma Crellin (Eliza Scanlen) enquanto a cria como se esta fosse uma criança.

Há pontos que ainda não estão muito claros, mas sabe-se que a polícia local configurada em tela pela figura de seu xerife Vickery (Matt Craven) não quer saber de incriminar ninguém da localidade e que o policial de fora Richard Willis (Chris Messina) chamado para investigar mais a fundo os crimes tem outro pensamento.

Há ainda o padrasto de Camille, Alan Crellin (Henry Czerny) que pode guardar algum segredo importante, o pai da menina morta que é bem esquisito, o irmão (e sua namorada) da menina desaparecida que pode ser um personagem interessante e várias e vários conhecidos de Camille que aparecem e desaparecem deixando sempre um rastro de estranheza no ar.

De toda forma, o programa que terá oito episódios no total, é uma obra intrigante em seu roteiro, delirante e densa em sua edição, poderosa em toda a direção de arte e nas paletas pesadas para demonstrar passado e presente tanto da protagonista quanto de seus demônios internos, além de ser inteligente na abordagem de temas pesados como depressão, ansiedade, autoflagelo e outras coisas que ainda deveremos ver por aí.

As atuações de Amy Adams e de Patricia Clarkson são deslumbrantes com qualidade passível de premiação e o elenco de apoio é sensacional e segura bem a onda, mas há de se falar de Sophia Lillis que vive Camille em flashbacks de sua adolescência e o poder em cena que tem Eliza Scanlen que flutua entre a sensualidade juvenil e a irritação de sua petulância pelo mesmo motivo etário.

Sharp Objects, portanto, parece ser o show da HBO que provocará o arrastão que Big Little Lies realizou ano passado entre o sucesso de público, a empolgação da crítica e a merecida maratona de premiações ao final do ano, mas acaba por se parecer mais no sentido dos temas abordados com outra série magnífica de 2017, a interessante The Sinner, que tinha como protagonista Jessica Biel.

 

Independente disso, o que é importante para a cultura pop atual e para a luta por direitos femininos é que o tema ligado a mulheres e o protagonismo delas tem sido bem mais recorrente nos últimos tempos junto com a qualidade com a qual é abordado.

Mas não se engane, o programa ainda terá muitas reviravoltas e seu desfecho promete chocar quem chegou ali meio desavisado. Tente curtir aos poucos, até porque sua forma de ser filmada tem de ser apreciada devagar e de maneira moderada para que seu clima pesado não te machuque tanto quanto os objetos cortantes do título.

 

 


 

 

O Bosque: nova série francesa da Netflix

Resultado de imagem para o bosque

 

Não é de agora que produções de suspense e mistério têm se multiplicado na cinematografia francesa dos últimos tempos, mas é evidente que algumas chamam mais à atenção do que outras.

E quando a Netflix coloca seu selo no produto fica tudo mais fácil para a série ou filme ficar famoso e despertar o interesse de seus clientes.

Foi assim recentemente, num padrão mais cult com “Le Chalet” e tal situação se repete agora com este “O Bosque” (La Forêt), da showrunner Delinda Jacobs.

Talhado a partir de uma ambientação que lembra muito “Dark”, fenômeno alemão que já teve renovado contrato para mais uma temporada, esta nova série vai se afastando dessa primeira impressão a partir do término do primeiro capítulo.

A estória se passa numa pequena cidade no interior da França que é cercada por grandes florestas e clima denso tanto pelo lado sombrio de seu nevoeiro ininterrupto sempre mostrado por um plano aéreo quanto pelo comportamento tenso de seus moradores.

Aparentemente, tendo uma população que tem sempre algo a esconder do vizinho ao lado, “O Bosque” se inicia com o desaparecimento de uma garota e do mistério envolvendo sua relação com outras duas meninas, estudantes do mesmo colégio. Uma delas é filha de uma das policiais locais mais atuantes que precisa lidar ao mesmo tempo com este caso enquanto tenta lidar com a chegada de um novo chefe do departamento.

O contraponto em relação a essa trama policial é a atuação da professora das meninas que faz de tudo para saber o que está acontecendo e, aos poucos revela também seus segredos mais íntimos e mais complexos acerca de seu passado.

Obviamente, que várias dessas coisas vão se cruzando ao longo dos seis episódios e uma maratona para assisti-la não é má ideia visto que em nenhum momento a direção e o trabalho dos atores deixa você descuidar do interesse pelos próximos passos do roteiro.

Aliás, se há uma qualidade a ser relatada em relação ao script é que sua total incapacidade de promover algo novo na maneira como desenrolar os fatos não é problema para a experiência de quem se propõe a vê-la. Ou seja, sabe fazer o arroz com feijão com louvor.

Com atores capacitados como a canadense Suzanne Clement, Samuel Labarthe e Alexia Barlier, “O Bosque” peca por não ter personagens mais multidimensionais, mas se segura pelo fato de que eles são bem vividos por seus intérpretes.

Dessa forma, não haverá surpresas que não sejam aquelas mesmas promovidas por qualquer novela da Globo, mas a diversão é garantida por um motivo simples: é tudo muito bem feito e bem encaixado sem dar espaço para muita crítica dos cenários, figurino e atuação.

Porém, há quem possa visualizar inúmeros furos em coisas simples por mero descuido da edição como erros em fluxos temporais ou desaparecimento de personagens, mas a trama central é conduzida de forma eficaz e acaba presenteando o espectador com bons momentos.

 

Enfim, nada formidável, mas passível de uma tarde agradável de diversão frente à TV.

 


 

 

 

The Alienist se segura nas influências e na discussão de subtemas

Resultado de imagem para the alienist netflix

 

Quando foi noticiado que haveria uma série americana intitulada “The Alienist” a empolgação inicial errônea de que teríamos finalmente Machado de Assis sendo prestigiado por uma produção mais bem engendrada e seriedade na roteirização de suas obras adaptadas para a tela (com exceção de “Capitu” e “Memórias Póstumas de Brás Cubas” o bruxo nunca foi realmente bem produzido na tv ou cinema) não se confirmou.

Depois de retificado o equívoco a empolgação foi substituída pela curiosidade por causa da escalação do elenco (Daniel Brühl, Dakota Fanning, Luke Evans, Brian Geraghty) e do mistério em torno do assunto da produção.

O fato é que, dirimidas as dúvidas, a aparente minissérie (nunca se sabe atualmente quando um show faz sucesso se aquilo vira ou não serial) é baseada no livro best seller homônimo de Caleb Carr e a trama segue um médico (que acaba por receber a alcunha de alienista) que tenta desvendar crimes ocorridos nos becos sujos de uma Nova York do final do século XIX seguido de uma equipe forjada por algumas situações meio forçadas pelo argumento do roteiro.

Por outro lado, se a utilização de personagens reais para participar de uma ficção não é nenhuma novidade, a forma como acontece acaba por gerar uma necessidade por pesquisa que pode fazer da obra televisiva apenas um ponta-pé para outras leituras.

Na série como um todo, estamos diante de mudanças científicas intensas e evoluções tecnológicas como a cinematografia, o telefone, medicina mais avançada e tais atividades acabam por auxiliar na investigação dos assassinatos que vitimizam especificamente meninos de rua que ganham a vida como podem sendo aliciados pela indústria da prostituição infantil daquela época (como se não houvesse hoje também).

Entra em cena o tal alienista que tenta fazer uma análise do perfil psicológico do criminoso sem que tenha qualquer pista de quem possa ser. Para isso contará com a ajuda da primeira mulher a trabalhar para a polícia de Nova York, dois detetives “faz-tudo” do departamento e um ilustrador famoso do New York Times, além do próprio chefe de polícia que teria papel importante para a história real do país.

Obviamente que um dos pontos fortes da produção da Netflix é a ambientação dos cenários para tudo parecer acontecer verdadeiramente como há cento e poucos anos e a maquiagem e guarda-roupas utilizados trazem muito dessa sensação em todos os 10 capítulos que talvez sejam mais bem digeridos se assistidos não em maratona, mas dia-após-dia para melhor degustação da trama, dos diálogos e do roteiro que, apesar de ter alguns furos, possui boas soluções.

A produção, portanto, é bem acabada e o trabalho dos atores e atrizes é bem competente. Os assuntos tratados na maioria dos episódios também fazem um bom papel, como a dificuldade das mulheres em encontrar um lugar naquele momento histórico, mas isso não quer dizer que se precise aprofundar em temas como feminismo ou sufragismo para poder demonstrar que a luta está sendo travada. Portanto, o tema não é relegado a um segundo plano tanto pelo roteiro quanto pelos personagens.

Outras coisas aparecem aqui e ali e são feitos assim como demonstrado na situação com as mulheres. Por exemplo: quando se fala sobre o racismo não há necessidade de ser panfletário, pois a questão é tratada no dia-a-dia daqueles que ali estão; a discriminação contra indígenas; os maus-tratos contra crianças; o problema da sujeira (em muitos sentidos) nos serviços públicos daquela época. Não se dá respostas fáceis sobre nenhum desses elementos, mas se há uma clara referência a eles já quer dizer que não foram olvidados pelo roteiro.

E por falar nisso, a referência que o roteiro faz a outros programas recentes que também têm suas qualidades acaba por testemunhar contra a originalidade de The Alienist (o que não quer dizer falta de qualidade) já que em muitas vezes você pensa claramente nessa influência como meio para ter conseguido chegar no trabalho final que os produtores queriam com esta série.

São inúmeros momentos em que se vê alguma cola tirada de outros produtos da TV e do cinema nas cenas assistidas nesta produção de Hossein Amini. Quando se visualiza o trabalho do futuro presidente dos EUA Theodore Roosevelt contra a corrupção da polícia da cidade de Nova York é impossível não lembrar de “Gotham” e da atividade do futuro chefe de polícia Gordon.

Do mesmo jeito é bem simples fazer um paralelo entre The Alienist e a fantástica Penny Dreadfull no que se refere à atmosfera densa, tensa e no clima de terror que ronda o ar e os personagens e seus passados; lembre-se de “The Nick” (produção maravilhosa de Soderberg que foi subestimada pela maioria do público) por causa da ótima ambientação e do tema da medicina; e, finalmente, não se esqueça de puxar pela lembrança qualquer série ou filme sobre Jack, o Estripador.

Pois então, The Alienist não é nenhuma história original, a tentativa em ser um thriller de perseguição não rola e muito menos o suspense é tão empolgante assim, além dos furos de roteiro (ou soluções fáceis que depois se perdem ou ficam num limbo que quase é esquecido por quem a assiste) e uma edição que por alguns momentos peca pela necessidade de dar muito tempo de tela para alguns dos protagonistas enquanto há um esquecimento de coadjuvantes importantes.

Porém, ela entrega bons diálogos, boas discussões filosóficas sobre psicologia humana (e neste sentido faz um paralelo, sem querer, justamente com Machado de Assis que sabia como ninguém fazer isso), usa bem a questão sobre o desenvolvimento da tecnologia naquele tempo, produz boa reflexão sobre a situação sociológica do mundo naquele contexto histórico e dos seus personagens e deixa muita coisa para a interpretação mais aprofundada do próprio espectador.

Sendo assim, é interessante degustar aos poucos a minissérie e sua finalização pode render o estudo de vários de seus subtemas e isso é algo que, muitas vezes, vale mais a pena do que o próprio prazer que a produção pode nos proporcionar.