VI Concurso de Contos de Terror do Riva

88a90079ceb1454df5ed2206646d4170dbb57854_00.jpg

 

A tradição já existe há algum tempo e o projeto parte para sua sexta edição.

A atividade chamada Concurso de Contos de Terror do Riva surgiu como uma ação de envolvimento entre professores da área de Letras, a Sala de Leitura da EMEF Professor Rivadávia Marques Junior e os alunos com o principal intuito de promover novos talentos na escrita e trabalhar o gênero do Terror e Mistério com crianças e adolescentes.

O concurso ocorre de hoje até 31/10 (dia do Halloween) e acontece por meio de eleição direta via Internet.

Os contos estão todos perfilados aqui no site Outros Sons e qualquer ser humano do planeta pode votar efetuando um comentário no post de sua história favorita.

Os três primeiros colocados ao fim do mês ganham coleções de livros de terror.

 


 

Abaixo, a lista completa dos inscritos no concurso:

1 – Agatha Julia Martins Silva (7º Ano A)

2 – Ana Carolina Brito Silva (6º Ano C)

3 – Giovana Cristina Veiga da Silva (5º D)

4 – Guilherme Ribeiro dos Santos (5º Ano A)

5 – Gustavo Nikolajuni Foloni (5º Ano C)

6 – Hiury Ricardo Petrolino da Silva (6º Ano A)

7 – Kaique Nascimento Teixeira (8º Ano C)

8 – Larissa Barbosa Miranda (5º Ano B)

9 – Maria Eduarda Almeida (5º Ano B)

10 – Maria Eduarda Morais Iani (4º Ano C)

11 – Mikaele Borges dos Anjos (5º Ano A)

12 – Richard Lucas Cordola Mezzalira Zaniratto (5º Ano D)

13 – Wallace Pereira da Silva (6º Ano A)

 


Anúncios

O Boneco do Teatro Charlet

Imagem relacionada

 

Numa noite muito escura havia um casal (ele chamava Breyne, ela Naynne) e como gostavam muito de comer comida japonesa eles fizeram o pedido e ficaram aguardando em casa. Quando chegou a entrega eles notaram algo muito estranho.

Naynne abriu a caixa e viu que lá havia um boneco de madeira. Ela achou fofo, mas seu marido achou exatamente o contrário já que tinha um aspecto assustador.

Enquanto Naynne queria ficar com o brinquedo seu esposo achou melhor perguntar se havia tido algum engano no restaurante. Como não conseguiram o contato telefônico ele achou melhor ir até lá, mas a mulher pediu que enquanto isso ficasse com o boneco, pois tinha gostado muito dele e que até pagaria para o restaurante, se fosse o caso.

Breyne saiu e sua esposa foi esquentar o café. Percebeu que havia começado e chover e começou a conversar com o boneco: “vou colocar um pano em cima de você para evitar ficar molhado se for passear lá fora”.

Ela o deixou no corredor de fora de casa e foi ver o café que estava no fogo.

Ao voltar da cozinha percebeu que o boneco não estava mais lá onde tinha deixado. Teve que pensar muito, pois achava que estava louca. Foi até o seu quarto e quando acendeu a luz do cômodo teve um susto horripilante. O boneco estava ali olhando fixamente para ela e quando menos esperou ele pulou em cima dela.

Aquele pequeno brinquedo tinha olhos sanguinários e apertou o pescoço da pobre mulher até que esta estivesse morta.

Breyne chegou em casa já dizendo: “amor, olha que coisa estranha. O pessoal do restaurante disse que não enviou boneco nenhum pra cá”. Quando percebeu que ninguém o respondia ele foi procurar Naynne pela casa toda e qual não foi sua surpresa quando percebeu que o quarto deles estava trancado.

Empurrou com toda a força que encontrou naquele momento e viu que quem bloqueava a sua entrada era justamente o boneco que, imóvel estava em frente a sua esposa morta.

Rapidamente, ligou para a polícia que ao chegar no local do crime achou muito estranho a história contada por ele. Inclusive quando falou da estranheza de ter achado o boneco em frente à Naynne o policial perguntou onde estava o objeto e ele não soube responder. A polícia foi embora, mas o rapaz sabia que seria considerado um grande suspeito devido ao mistério envolvendo aquele caso.

Muito triste e abalado o homem pensou em ir até a casa de seus pais, e quando estava para sair viu no corredor o boneco. Pegou o brinquedo e foi embora.

Quando contou a esquisita história para seu pai e mostrou o boneco sinistro para ele o pai logo arregalou os olhos. “Filho, este boneco é de um teatro onde eu e sua avó fomos uma vez. Deixa eu te contar o que aconteceu”.

Daí o velho homem sentou e começou a conversar com o filho: “Muitos anos atrás eu estava numa apresentação de ventríloquo no Teatro Charlet da cidade junto com sua mãe e a moça segurava um boneco que acredito ser essa aí contigo. Um garotinho no meio da plateia gritou num certo momento que a mulher havia mexido a boca e rapidamente ela perguntou ao boneco e ele respondeu numa voz muito assustadora ‘não, mamãe’”.

“E o que aconteceu depois disso?” – perguntou Breyne.

“As luzes se apagaram e acenderam novamente. Quando isso ocorreu o boneco sumiu.”

Breyne estava muito assustado.

O pai dele prosseguiu com a história – “Depois disso aconteceu algo muito maluco. Eu estava sentado na quarta cadeira da terceira fileira e a moça que parecia estar muito contrariada com a fala daquele garotinho olhou fixamente pra mim e disse ‘acho que o meu filho está ai embaixo da sua cadeira’. Eu olhei e realmente o boneco estava lá. Foi uma correria no teatro todo e a mulher sumiu do palco”.

Aquela história estava fazendo muito mal A Breyne, mas Reyne, seu pai ainda continuou: “Após esse acontecimento, estranhamente sua mãe quis ficar com o boneco até porque não achamos mais a mulher ventríloqua. Muitas coisas estranhas começaram a acontecer em nossa casa e por várias vezes tentei me livrar deste maldito boneco até que ontem à noite coloquei o boneco no correio para ser enviado para seu país de origem, a Romenia”.

Foi aí que Breynne ficou realmente assustado. “Mas ele não foi para a Europa, ele apareceu lá em casa”.

Os dois se olharam e seu pai disse: “Temos que fugir daqui.”

A mãe de Breynne chegou neste momento e viu os dois conversando. Quando viu o boneco ficou muito feliz e o pegou para abraçar. “Estava com tanta saudade!”

O pai de Breynne olhou para ele e disse: “Viu, esse boneco é demoníaco. Ele hipnotiza as pessoas e faz com que fiquem sob seu poder.”

Reyne disse para que o filho fosse arrumar suas coisas em casa que logo depois voltaria lá para irem embora dali e que enquanto isso tentaria mais uma vez se livrar do boneco.

Quando Breynne foi embora Reyne tentou jogar o boneco na lareira para queima-lo, mas sua esposa Helen o impediu e com um pedaço de ferro o matou. Ela escondeu o boneco e ficou na sala toda ensanguentada aguardando pelo retorno do filho.

Breynne voltou e Helen estava lá imóvel. Ele nem precisou perguntar a respeito do pai, pois este estava morto em frente à lareira. Ele gritou: “Onde está o boneco?” e ela nada respondeu. Foi aí que ligou para a polícia e quando chegaram Helen simplesmente estava botando fogo na casa.

O boneco estava na entrada da frente da casa e Breynne só teve tempo de correr pra fora. Sua mãe ficou lá dentro e queimou junto com tudo o que havia lá.

Depois dessa tragédia Breynne foi embora para a Europa a fim de esquecer de tudo e estava trabalhando como relações internacionais na Inglaterra.

Passados três anos do acontecido, ele decidiu voltar a fazer coisas para se alegrar e foi até um teatro no centro de Londres. Pensou se tratar de uma apresentação de balé, mas quando pagou o ingresso e entrou no ambiente do teatro a placa onde estava escrito o nome “Teatro De Ballet de Londres” caiu e por trás apareceu o verdadeiro nome do lugar.

“Teatro Charlet – Apresentação de Ventríloquo”.

 

Maria Eduarda Almeida – 5º Ano B

 


 

II Concurso de Contos de Terror do Riva: confira quais são as coleções de livros para a premiação

Os prêmios que serão oferecidos aos vencedores do Concurso são os seguintes:

1º Lugar – Coleção “Crônicas de Gelo e Fogo”

2º Lugar – Coleção “Assassin’s Creed”

3º Lugar – Coleção “Livros de Terror (Drácula, Frankenstein, O Médico e o Monstro, O Exorcista)”

4º Lugar – Coleção “Dragões de Éter”

5º Lugar – Coleção “Jogos Vorazes” 

As inscrições para o II Concurso de Contos de Terror do Riva serão encerradas no próximo dia 29 de setembro.

No dia 01 de outubro já haverá a postagem no blog de todos os contos concorrentes e a eleição popular estará valendo. Lembrando que a atividade de votação é aberta para qualquer pessoa seja da escola ou não.

O processo eleitoral para elegermos os cinco primeiros colocados do concurso termina no dia 29 de outubro, pois no dia seguinte (30) haverá uma festa de premiação na EMEF Professor Rivadávia Marques Junior com uma atividade cultural sobre o Halloween (Dia das Bruxas).

Alunos, corram para participar do concurso. Amigos leitores do blog, prestigiem a atividade votando naquele conto favorito.

Observação: somente valerá um voto por pessoa para cada conto.

2º Concurso de Contos de Terror do Riva

tumblr_static_tumblr_mp457lnigf1sxim97o1_500
 
Já estão abertas as inscrições do 2º Concurso de Contos de Terror do Riva, atividade cultural realizada pela Sala de Leitura da EMEF Professor Rivadávia Marques Junior.
 
A atividade é simples: os alunos que se interessarem podem se inscrever realizando um conto que contenha elementos do gênero de terror, suspense ou mistério.
 
Algumas regras são básicas: a história deve ser considerada original (não serão aceitos plágios de maneira alguma), a autoria é individual e o texto deve ser digitado e enviado ao email dhiancarlomiranda@yahoo.com.br.
 
O prazo para entrega é até 30 de setembro de 2014.
 
Posteriormente a isso, terá início o período de votação dos contos: isso se dará do dia 01 de outubro de 2014 ao dia 29 de outubro de 2014.
 
Todos os contos inscritos serão visualizados pelos votantes através do blog Outros Sons. O endereço é dhiancarlomiranda.wordpress.com.
 
Cada comentário feito no post do conto preferido da pessoa valerá como um ponto para aaquela história. Cada pessoa tem direito a um único voto por conto.
 
Além disso, é importante mencionar que a premiação deste ano terá o acréscimo de mais um premiado. Portanto, os cinco mais bem votados na eleição serão premiados com coleções de livros (que serão informados mais à frente).
 
No dia 30 de outubro de 2014 haverá uma festa para a realização da premiação dos vencedores e uma atividade cultural na escola para celebrar o dia das Bruxas (Halloween) e o dia do Saci no Brasil. Nesta data, também haverá premiação para as melhores fantasias (prêmios a serem divulgados em breve).
 
Então é isso aí!
  
Os alunos do Riva já estão se organizando e os autores de contos de terror já estão escrevendo. Não perca a oportunidade de ter a sua história lida por qualquer pessoa do mundo através do blog na internet.
 
Abaixo, um dos pôsteres oficiais do concurso:
Imagem1