Neste fim de semana tem Fest Comix em sua 22ª edição. Vamos lá?

Se há algum evento em São Paulo que merece a alcunha de precursor da cultura pop este é o Fest Comix, que acontece anualmente no São Paulo Expo.

Muito antes de a ComicCon aparecer por aqui a Fest Comix já rendia boas ações em seus dias de atividade.

Neste ano é celebrada a 22ª edição do evento e a ideia de se ter um encontro no qual se pode comprar quadrinhos com descontos, conhecer artistas do meio e realizar oficinas com gente do ramo nacional é tornado realidade por lá.

A vigésima segunda edição acontece no próximo final de semana entre os dias 17, 18 e 19 junho.

Dentre as principais atrações de agora estão aquelas com fundo temático como a Terrorfest, com palestras, bate-papos e mostra de curtas para os fãs do gênero de terror e horror.

Além disso, ocorre também a Medieval Fest, um espaço dedicado inteiramente ao período no qual haverá tendas especializadas, batalhas medievais e arco e flecha, junto com a AnimaSato que desenvolverá uma mostra de filmes e animes com curadoria da Sato Company.

Por fim, ainda tem a Fest Cosplay, com desfile e competições para aquela galera que adora se vestir igual ao seu personagem preferido do universo pop, indie e geek.

Abaixo, confira a programação completa do evento:

 

Sexta-feira, dia 17 de junho

 

– 14h-15h30: Novidades com editoras independentes I

– 15h30-17h: Novidades com editoras independentes II

– 17h-18h30: Painel Disney

– 18h30-20h: Painel Quadrinhos autorais


Sábado, dia 18 de junho

– 12h-13h: Social Comics

– 13h-14h15: Painel Panini Comics / Planet Manga

– 14h30-15h45: Painel Mangás JBC

– 15h45-17h: Palestra Luke Ross

– 17h-18h15: Painel Graphic MSP

– 18h30-20h: Painel 75 anos da Mulher Maravilha


Domingo, dia 19 de junho

– 12h-13h30: Mesa-redonda Booktubers

– 14h-16h: Painel Marvel | Star Wars | DC | Vertigo

– 16h30-18h: Painel 75 anos do Capitão América

 


 

Eventos Temáticos Paralelos

 

Sala Comix

 

Sexta-feira, dia 17 de junho

– 14h-15h30: Workshop do Instituto dos Quadrinhos

– 15h30-16h30: Painel Guerra Civil

– 16h30-18h30: Mesa-redonda Educando com RPG

– 18h30-20h: Mesa-redonda Diversidade para internet


Sábado, dia 18 de junho

– 12h-13h30: Workshop do Instituto dos Quadrinhos

– 14h-15h: Mesa-redonda Vilãs nas HQs

– 15h30-17h: Bate-papo com Ig Guara

– 17h-18h: Bate-papo com Gustavo Duarte

– 18h30-20h: Mesa-redonda E-Sports – Atletas digitais


Domingo, dia 19 de junho

– 12h-13h30: Workshop do Instituto dos Quadrinhos

– 13h30-15h: Workshop Faça seu próprio fazine

– 15h30-17h: Workshop de RPG

– 17h-18h: Mesa-redonda Web Comics – A saga das quadrinistas digitais

 


 

Serviço Completo da Fest Comix

Entrada: 40 reais (inteira) / 20 reais (meia-entrada) Obs: Idosos e crianças até 7 anos não pagam

Local: São Paulo Expo – Rodovia dos Imigrantes, km 1,5, próximo ao Metrô Jabaquara.

Maiores informações:

Site do evento (www.festcomix.com.br)

Página no Facebook (https://www.facebook.com/festcomix/ e https://www.facebook.com/comixbook/)

Canal no YouTube (www.youtube.com/ConexaoComix)

Venha surtar com esta nova: Corrida Maluca versão HQ pós-apocalíptica

 

Depois de lançar as primeiras edições de Future Quest (projeto futurista de Jonny Quest) e de Scooby Apocalypse, a DC Comics também se aventurou por outro caminho dentro do universo Hanna-Barbera.

A produtora de HQs (entre outras comendas) começa a publicar nesta semana uma série inspirada em Wacky Raceland, nossa velha conhecida “Corrida Maluca”.

Quem ficou a cargo da escrita da revista foi Ken Pontac com desenhos de Leonardo Manco.

A história da HQ se ambienta em um mundo pós-apocalíptico em que os antigos personagens como Penelope Charmosa, Dick Vigarista e Muttley irão ser representados de uma maneira um pouco diferente daquela já dominada por nossa memória.

O resumo oficial do primeiro volume da série diz que “o mundo acabou, mas a corrida acabou de começar! Penelope Charmosa, Peter Perfeito e o resto da Corrida Maluca buscam a linha final em uma prova em que o vencedor ganha tudo e o segundo lugar é a morte. No desafio de hoje, o labirinto estilhaçado conhecido como Überpass, onde eles são atacados por feras gigantes de areia, insetos mutantes e, o pior de tudo, o pobre espírito esportivo de Dick Vigarista”.

O lançamento oficial da primeira edição foi ontem nos EUA, mas não há nada confirmado para o Brasil ainda.

Mas a brincadeira com os estúdios Hanna-Barbera não para por aí. Uma série dos Flinstones já foi encomendada e, se depender do sucesso que tais HQs podem alcançar, a coisa pode ter longo caminho pela frente.

 


 

Abaixo, veja a capa de Wacky Raceland:

 

 


 

Há vida inteligente no Youtube: cinco canais para acompanhar cultura nerd

 

Se há muita porcaria desenvolvida no Youtube para os jovens se deliciarem e perderem de vez o senso do ridículo, também é importante dizer que há muita coisa bem feita e com qualidade mínima para ser citado com louvor.

O movimento de falar sobre qualquer bobagem não é uma exclusividade do site e nem da internet, quiçá da vida real, portanto perceber que tal situação cresce vertiginosamente nesta página criada para mostrar vídeos não causa nenhuma surpresa.

Dessa forma, é necessário cravar sempre os exemplos de gente boa que andam por lá não só para angariar mais uma galera para assistirem aos seus interessantes programas, mas principalmente para fazer aqueles que insistem em chafurdar na lama do senso comum perceberem que podem ter bom humor com conteúdo (e vice-versa).

Eis abaixo, uma pequena lista com alguns casos em que há boas propostas para serem visualizadas por nós em canais bacanas e qualitativos no Youtube.


Mikannn

Com um canal que parece ter sido criado inicialmente apenas para falar sobre cultura pop japonesa já que a moça (o nome dela é Miriam) é fã declarada deste universo nerd, a coisa foi crescendo e hoje dedica grande tempo para a apresentação de temas como games, animes, séries variadas e, acima de tudo, a teorias acerca de Game of Thrones e os livros dos quais foi adaptada o programa de tv, as Crônicas de Gelo e Fogo de George R.R. Martin.

A grande marca do programa da garota é seu carisma espontâneo já que não precisa fazer caretas, piadas bobas ou qualquer artifício infantil para conseguir angariar mais gente para sua audiência. Além disso, tem uma fala muito boa, sabe se expressar muito bem e possui vocabulário vasto sobre as obras que fala.

Por último, consegue sintetizar o que diz com boas imagens sem que precise realizar pirotecnia desnecessária para tanto. Desse modo, já figura entre as favoritas do blog para quando há a possibilidade de discutir sobre as tais teorias malucas de Game of Thrones ou quando simplesmente quer ver algo conteúdo comprovado.


Carol Moreira

 A Carol Moreira trabalha para o site Omelete e uma vez por semana solta vídeos próprios em seu canal no Youtube.

Também é amiga de Miriam e de vez em quando fazem um combo para falar de Game of Thrones, o que acaba sendo um deleite para os fãs por conta do carisma das duas.

Se Carol não tem o conhecimento de nomes e palavras sobre os assuntos falados assim como a sua companheira de vídeos é pelo seu bom humor e maneira graciosa com que faz suas falas que cativa as pessoas.

É claro que a menina acaba por se destacar por conta disso, mas também possui conteúdo em tudo o que faz em seus programas, pois utiliza sua experiência no site de cultura pop para antecipar acontecimentos, citar referências e falar sobre estreias do cinema, literatura e séries de tv.

Sendo assim, se há um pouco de caretas demais em algumas de suas intervenções, tudo isso é compensado pela sua maneira bacana de ser e de desenvolver suas ações no site.


Jovem Nerd

Eu sei que as pirotecnias desnecessárias em vídeos chegam a causar certa repulsa no dono do blog, mas é que esses caras do Jovem Nerd compensam tal empolgação com bastante bom humor e espontaneidade.

Se não possuem o conhecimento técnico e literário das meninas citadas acima pelo menos não escondem isso ou tentam parecer cultos.

Eles são ogros utilizados da melhor maneira possível: fazem ogrice nerd.

Os vídeos são bem hilários, mas também tiram dúvidas dos fãs que gostam de visualizar sobre suas séries, HQs, filmes e referências prediletas e possuem boa produção.

Claro que o clima despojado e falastrão dos dois rapazes que apresentam a maioria dos programas ajuda a criar um clima de papo de bar e tudo termina de forma leve.

Portanto, vale a pena não por conta da informação que fornece, mas pelas entrelinhas desse conhecimento.


Nerd Rabugento

Aqui o que vale é se despir de preconceitos e também das vestes de fanboy para apreciar as contestações e críticas pesadas que o cara realiza de obras ditas sagradas.

O dono do canal é bastante culto e consegue sintetizar isso de maneira eficaz e digna para o seu público.

Não faz concessões a ninguém e a nada!

Dessa forma, os filmes inspirados em HQs, as próprias HQs, as séries e programas de tv em geral sofrem com sua veia analítica pesada e não tem medo de parecer demais para aquele xiita que não aceita que sua obra infalível receba qualquer defeito.

Muito bom, mesmo que você discorde de suas opiniões, pois estas são dadas sem medo e com bastante aprofundamento técnico.


Nerdologia

O que é interessante neste canal (que é ligado ao Jovem Nerd) é que sua busca é de se aprofundar na cultura nerd e ultrapassa os limites apenas da crítica ou da simples análises de programas e séries em geral.

A ideia dos donos do canal é fazer pesquisas e apresentações sobre realidade virtual, informática em geral, tecnologia das mais variadas, mas acaba por se meter em lançamentos de HQs, animes e filmes durante o ano todo.

Mas o que acaba por fixar mais visualizações dos programas do canal é que muitas referências desses suportes da cultura pop são analisados sob o ponto de vista científico, como por exemplo, a possibilidade de ser real ou não a prática de algo que acontece num filme ou a veracidade de acontecer algo que se passou numa série.

Sendo assim, fica para trás apenas a análise artística daquela forma de arte e entra a crítica sobre sua verossimilhança.

 


 

Atividades contra a dengue no Riva: Veja as fotos!

IMG-20160409-WA0011[1]

Mais uma ação em conjunto com a comunidade e com os alunos, mais uma ação de sucesso.

O pessoal do Riva vem realizando uma série da atividades para combater o avanço da epidemia de Dengue em nossa cidade e para ilustrar bem este trabalho houve a ideia por parte das coordenadoras pedagógicas Adelina Pimenta e Katia Souza de fazer gincanas com as crianças a fim de deixar ação mais prazerosa para todos.

É óbvio que fazer a conscientização contra os riscos da doença deve ser o principal motivo desta atividade, porém promover a socialização gradativa dentro da escola acaba sendo uma aprendizagem profunda não só para meninos e meninas, mas também para os professores.

Sendo assim, no último dia 08-04 (sexta-feira) aconteceram inúmeras gincanas com o tema do combate ao mosquito Aedes Aegypti e o resultado final é empolgante.

Veja abaixo algumas dessas fotos:

 

Saiu o primeiro trailer de Suicide Squad

image

Já não é novidade para ninguém que a DC está doida para desancar a supremacia da Marvel nos cinemas.

O que ocorreu anteriormente com a editora de X-Men e Os Vingadores deu impulso avassalador com o entrelaçamento entre todas as histórias de seus heróis.

Por conta disso, parece que a editora de Batman e Superman fará algo muito parecido com seus próximos lançamentos.

Nesse sentido, nada é mais ambicioso quanto a produção de um universo baseado na Liga da Justiça e para isso a estreia de Batman versus Superman ano que vem será o pontapé inicial.

Porém, assim como procedeu a Marvel com Guardiões da Galáxia sendo uma espécie de mundo paralelo à grande história dos Vingadores o mesmo deve ser dito de Esquadrão Suicida.

image

O filme deve estrear em agosto de 2016 e servirá, ao que tudo indica, como peça cult aos olhos dos fãs.

Abaixo, veja o primeiro trailer do filme que trará à tela um mundo sinistro dos bad guys da DC, além da esperada aparição de Jared Leto como o temível Coringa.

Publicado do WordPress para Android

HQ “Bom de Briga” se utiliza da cultura de violência para contar boa história

ZDU4ZTVjNzJhZjJiZDRhYjUyMDQzN2I1MzMwNjExNDI
 
“Bom de Briga” de Paul Pope (tradução de Daniel Pellizzari) é uma HQ que saiu nos EUA em 2013 e que prima não só pela tamanho (são 208 páginas), mas também pela qualidade técnica com que a Aventura Quadrinhos lança agora no Brasil.
 
“Battling Boy”, como é conhecida no original em inglês, é um comic book que apresenta crianças que precisam descobrir um mundo novo (qualquer coisa para uma criança é novidade) e o medo de enfrentar tais descobertas.
 
Mesmo que “Bom de Briga” possua uma ação que envolva monstros e deuses, a principal meta de Pope é demonstrar como se dá a maturação do jovem quando é impelido a fazer isso de qualquer jeito.
 
O quadrinista é bem conhecido por desenhar minisséries de Batman na DC Comics, “Year 100” é um exemplo disso, e tal situação deve ter dado a ele experiência suficiente criar a  história do menino que é enviado à Terra para defender a pobre cidade de Arcópolis de monstros.
 
Deste modo, tudo é uma desculpa para ser incluída na aventura a provação de se tornar responsável.
 
Pope inclui seu inconfundível traço que se expande na página com o pretexto  de nos trazer imagens com toques pós-modernos e personagens com estilo punk e vilões bem caracterizados numa espécie de crossover entre o traço de Jack Kirby com elementos estilísticos de Mark Twain e Charles Dickens.
 
O primeiro volume de “Bom de Briga” termina com um clímax necessário para ganhar não só uma continuação, mas também informações sobre a história antes dos acontecimentos do que foi apresentado nesta HQ.
 
Será interessante visualizar como será feita essa mistura de referências e se tal situação se tornará bem aproveitada.
 
Pope visivelmente aposta num visual mais cartunesco e isso inclui uma forma interessante às armas, tanto da Terra quanto dos deuses e isso suaviza o clima mais soturno em certos momentos.
 
Tudo isso em conjunto com o impacto das cenas mais grandiosas dos duelos que vira e mexe acontecem.
 
A simples demonstração de violência não é o jogo que Pope deseja jogar, ele quer se apropriar da linguagem das ruas e do fetiche com que é tratada a cultura das gangues.
 
Essa história moderna de super-heróis acaba por produzir um desfile de ótimas cenas, mas o diálogo ganha em larga escala a atenção de quem se dá conta das nuances das histórias de Pope.
  
Ótima história que pode render mais informações num futuro próximo.